Os equinócios acontecem duas vezes por ano, em março e em setembro, e marcam a entrada do outono e da primavera
shutterstock
Os equinócios acontecem duas vezes por ano, em março e em setembro, e marcam a entrada do outono e da primavera


Os últimos momentos do verão, nesta terça-feira (20), serão sucedidos pelo fenômeno astronômico do equinócio, que acontecendo duas vezes por ano, é o responsável pela entrada do outono, em março, e da primavera, em setembro. Isso significa que, às 13h15 de hoje, o sol incidirá com maior intensidade nas áreas mais próximas da linha do Equador, dando as boas-vindas ao outono. Mas, como seria possível observá-lo?

Leia também: Planetas, estrelas e satélites já podem ser explorados via Google Maps

De acordo com Tânia Maris Pires Silva, coordenadora do Planetário da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), um equinócio pode ser entendido como o momento em que o Sol passa exatamente no centro da superfície terrestre. Dessa forma, os dois hemisférios recebem a mesma quantidade de luz e, neste dia, os períodos de luz e escuridão são simétricos.

A inclinação do eixo da Terra e o seu movimento de translação são os responsáveis por explicar o fenômeno. Já que o planeta conta com um eixo inclinado, sua trajetória ao redor do Sol nunca será exatamente a mesma: a cada volta, ao longo do período de um ano, os raios solares incidem de maneiras distintas sobre a nossa superfície. Tal movimento em torno da estrela é chamado de "plano de órbita da Terra", segundo explica a mestre em física pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), Polyanna Alves.

"Vista do espaço, a Terra se move neste plano com a nossa linha do equador posicionada de um modo menos parecido com um carrossel e mais parecido com o brinquedo de parques de diversão ' enterprise '", pontua. "O equinócio é uma consequência natural do movimento que fazemos em torno do Sol e do modo como descrevemos essa trajetória, deslocamento este responsável pelas diferenças entre a duração dos dias e das noites ao longo das estações". 

A trajetória do brinquedo Enterprise é parecida com o movimento do nosso planeta no
Creative Commons/Flickr
A trajetória do brinquedo Enterprise é parecida com o movimento do nosso planeta no "plano de órbita da Terra"


É por isso que as estações do ano, segundo Alves, acontecem por causa do plano de órbita do nosso planeta e o plano do equador terrestre, e, diferente do que muitos imaginam, não estão relacionadas ao nível de proximidade entre o Sol e a Terra. 

Você viu?

Como observar um equinócio?

Observar o evento pode ser uma tarefa muito fácil, de acordo com Silva, exigindo apenas um céu sem nuvens e a orientação de uma bússola. Durante os equinócios, o sol sempre nasce exatamente no ponto cardeal leste e se põe no oeste , então, basta olhar para o céu com tais instruções para ver o fenômeno.

Alves, no entanto, ressalta que a melhor forma de identificar o movimento, de maneira completa, seria fotografando o nascer ou o pôr do sol a cada 15 dias, sempre com a câmera na mesma posição. Ao comparar as imagens, o dia do equinócio ficaria claro de acordo com as diferenças de cada imagem.

Observar a posição, em relação aos pontos cardeais, onde o sol nasce e se põe é uma forma de identificar um dia de equinócio
Free Images/Modificada por Polyanna Alves
Observar a posição, em relação aos pontos cardeais, onde o sol nasce e se põe é uma forma de identificar um dia de equinócio


Outra maneira seria, de acordo com a professora adjunta do departamento de astronomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Daniela Borges Pavani, “observar o fenômeno usando uma vara fincada perpendicularmente no solo e marcar o comprimento das sombras com cordas. A figura que irá formar permite obter as direções dos pontos cardeais e identificar os dias de transição”.

Solstícios de inverno e de verão

Para “completar” os eventos astronômicos que marcam a entrada das estações do ano,  os chamados solstícios também acontecem duas vezes por ano e marcam a entrada do verão e do inverno.

Segundo a física Silvania Sousa do Nascimento, professora da Universidade Federal de Minas Gerais e coordenadora do Núcleo de Astronomia do Espaço do Conhecimento UFMG, o solstício acontece “no dia do ano que o Sol nasce mais ao sul do nosso ponto de referência, quando teremos uma trajetória que resulta no máximo de tempo de luz solar em nosso hemisfério”.

Leia também: Buraco negro e inflação cósmica: Relembre as contribuições de Hawking à ciência

Se assim como o equinócio, você quiser presenciá-lo, poderá observar – sempre com proteção e filtros adequados – que, nos dias de solstícios , o sol nasce o mais distante do leste e se põe o mais distante do oeste. Mas, para isso, será preciso ter calma: o próximo solstício só acontece dia 21 de junho, quando o hemisfério sul se despede do outono e recebe o inverno.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários