Tamanho do texto

A descoberta gera subsídios para a teoria de que a raça humana migrou para fora da África cerca de 50 mil anos antes do que se pensava

Crânios de Homo erectus, Neanderthal, Australopithecus , Homo sapiens e de um chimpanzé
Getty Images
Crânios de Homo erectus, Neanderthal, Australopithecus , Homo sapiens e de um chimpanzé

Foi encontrado em um sítio arqueológico em Israel o fóssil mais antigo de um humano moderno fora do continente africano. A descoberta gera subsídios para a teoria de que a raça humana migrou para fora da África cerca de 50 mil anos antes do que se pensava anteriormente, como já sugeriam estudos genéticos.

Leia também: Pela 1ª vez, cientistas clonam primatas e chegam 'perto' de método em humanos

Pedaços da face, entre eles a mandíbula e dentes foram encontrados no sítio arqueológico de Misliya Cave. Os resultados foram publicados na revista estadunidense Science , na quinta-feira (25).

Os achados incluem uma mandíbula de um jovem adulto - ainda sem sexo definido - que data de um período entre 175 mil e 200 mil anos atrás. Para estimar a data dos ossos, a equipe utilizou isótopos de urânio em decomposição e métodos luminescentes.

A descoberta traz importantes implicações para as teorias sobre o surgimento dos humanos. Aponta, entre outros, que a nossa espécie possui características que não estavam presentes nos Neandertais (espécie anterior a do Homo Sapiens), e também que a imigração do homem da África pode ter ocorrido antes do estimado pelos arqueólogos. Até então, os fósseis mais antigos fora da África tinham sido encontrados no Monte do Carmo, também em Israel, e eram datados de um período entre 80 mil e 120 mil anos atrás.

Leia também: Asteroide gigante está vindo em direção à Terra a mais de 120 mil km/h, diz Nasa

Os cientistas também encontraram ferramentas de pedra, de aproximadamente 179 mil anos, e uma prata esmaltada de um dente, de cerca de 174 mil anos.

Para o arqueólogo Michael Petraglia, do Instituto Max Planck de Ciências Humanas de Jena, na Alemanha, se confirmadas as datas apontadas pelos testes, a descoberta "é impressionante".

Já o antropólogo Israel Hershkovitz, da Universidade de Tel Aviv, em Israel , afirmou que a descoberta do fóssil sugere que os ancestrais humanos surgiram antes do que imaginado. "Se a nossa espécie estava em Israel 200 mil anos atrás, isso sugere que ela é muito antiga - não de 300 mil anos atrás, mas mais antiga que isso".

* Com informações da Ansa

 Leia também: Todo o universo pode estar cheio de vírus "alienígenas", sugere novo estudo

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.