Tamanho do texto

Homem Gravetiano tinha em média 1,80 metros de altura, bem acima de seus contemporâneos Maias, que não cresciam muito além dos 1,60 metros

shutterstock
"Caçadores de mamute" passaram adiante gene responsável por altura por milhares de anos até os dias de hoje

Cientistas descobriram por que os homens do leste e oeste europeu são os mais altos do mundo em uma recente pesquisa. De acordo com os pesquisadores, a altura é causada por herança genética dos Gravetianos, homens pré-históricos caçadores de mamute.

Leia também: Cientistas descobrem que casal petrificado em Pompeia é formado por homens

Conhecidos como "Gigantes da Era do Gelo", os Gravetianos tinham em média 1,80 metros de altura e seus hábitos alimentares baseados em carne de mamute podem explicar por que seus descendentes são tão altos.

Os homens de países como Bósnia e Herzegovina, Holanda, Croácia e Montenegro estão entre os mais altos do mundo, com média ao redor de 1,84 metros. Os estudiosos descobriram que a estatura deles pode ser herança genética dos gigantes ancestrais.

“A cultura Gravetiana é a mais importante do período Paleolítico Superior na Europa, e é chamada às vezes de ‘cultura dos caçadores de mamute’”, explica o doutor Pavel Grasgruber, da Universidade de Masaryk ao portal “Seeker”.

Leia também: Primeiros habitantes da Terra! Cientistas acham sinais de vida de 3,8 bi de anos

Ele acredita que a dependência da carne de mamute e a baixa competitividade com outros humanos levaram os Gravetianos a evoluírem até se tornarem mais altos. O povo Maia, por exemplo, que vivia na mesma época, tinha uma média de altura de 1,60 metros.

“Minha suspeita é que a especialização na caça associada ao consumo de proteínas de alta qualidade e baixa densidade populacional criaram condições ambientais que levaram à seleção de homens excepcionalmente altos”, disse Grasgruber.

O tamanho do homem Gravetiano provavelmente está ligado a um grupo de genes chamado haplogrupo Y I-M170. “Sabemos que a amostra mais antiga do I-M170 pertence a um indivíduo que viveu há 33 mil anos no sul da Itália”, explicou o doutor.

Leia também: Reverter extinção pode prejudicar animais existentes, aponta pesquisa

Em sua pesquisa, ele também descobriu que esse mesmo grupo de genes é parte comum do DNA de homens nascidos em Bósnia e Herzegovina. Ele acredita que os homens incrivelmente altos que vivem no país são resultado do I-M170 passado adiante ao longo de milhares de anos.

Ser alto geralmente está associado a uma boa dieta e a um estilo de vida saudável, mas os homens que vivem nessa região ultrapassam a média, mesmo tendo uma dieta relativamente pobre, o que indica que sua estatura é um fator genético.

“Porque os padrões nutricionais e as condições socioeconômicas ainda são subótimas, a explicação mais provável para a altura excepcional está em fatores genéticos específicos associados à disseminação do haplogrupo Y I-M170”, concluiu Grasgruber em sua pesquisa.