O pintor William Oliveira Fonseca, preso nesta sexta-feira
Divulgação - 12.06.2022
O pintor William Oliveira Fonseca, preso nesta sexta-feira

A polícia prendeu o segundo pintor acusado do assassinato da idosa Martha Maria Lopes Pontes, na Avenida Ruy Barbosa, no Flamengo. William Oliveira Fonseca, de 23 anos, já tinha em seu nome um mandado de prisão por roubo e outro por roubo seguido de morte, extorsão e incêndio. Segundo as investigações da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC), na tarde de quinta-feira, dia 9, por volta das 13h30min, William Oliveira e  Jhonatan Correia Damasceno invadiram o apartamento da idosa Martha Maria Lopes Pontes, na Avenida Ruy Barbosa, no Flamengo, para roubar a proprietária.

No imóvel, também se encontrava a diarista Alice Fernandes da Silva. De acordo com a Polícia Civil, após renderem as duas vítimas, eles as amarraram e amordaçaram, impedindo qualquer chance de defesa. Em seguida, Jonathan saiu da residência de Martha para descontar os cheques no banco, enquanto William permaneceu com as vítimas no imóvel, mantendo-as como reféns. Depois conseguir descontar os cheques, Jhonatan avisou a William que estava retornando ao imóvel. Juntos, mataram as vítimas e atearam fogo no apartamento antes de saírem.

Após ser preso em flagrante por policiais da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) pelos crimes de duplo latrocínio (roubo seguido de morte), extorsão qualificada e incêndio contra a aposentada Martha Maria Lopes Pontes, de 77 anos, e de sua diarista, Alice Fernandes da Silva, de 51, Jonathan Correia Damasceno contou ter planejado o crime após se desesperar com a “quantidade de dívidas que vinha se acumulando”. Em depoimento na especializada, o rapaz relatou ter combinado com Willian Oliveira Fonseca como seria o roubo: enquanto o comparsa amarraria e amordaçaria a idosa, ele iria a uma agência bancária sacar os cheques que a obrigaria a assinar.


De acordo com Jonathan, ele trabalha como pintor há cerca de sete anos, tendo aprendido o ofício com o pai. Ele disse que o primeiro serviço prestado no condomínio 460 da Avenida Rui Barbosa, no Flamengo, na Zona Sul do Rio, foi no começo do ano, em um apartamento no quarto andar. Na ocasião, foram contratados por uma arquiteta por cerca de 20 dias, além dele e do pai, seu sogro e um vizinho de seu pai.

Jonathan disse que, após o término desse serviço, o marceneiro que trabalhou na obra, o indicou para pintar com o pai algumas janelas do imóvel de Martha. A idosa chegou a mencionar que gostaria também que fosse pintada a porta da cozinha, mas, devido a uma crise alérgica em razão da tinta fresca, precisaria de um tempo para o cheiro forte se dissipar. Em maio, o rapaz chegou a procurá-la novamente perguntando se tinha algum outro serviço e teve resposta negativa.

No depoimento, Jonathan disse que, “ao passar dos últimos dias foi se desesperando com a quantidade de dívidas que vinha se acumulando”, chamou Willian para roubar o apartamento de Martha e combinou com ele, na última quarta-feira, como se daria o crime. Ele contou que, no dia seguinte, saíram juntos de casa, ambas na favela da Acari, na Zona Norte da cidade, e, de metrô, seguiram até o Flamengo. Os dois estavam de máscaras e bonés para dificultar a identificação junto as câmeras de segurança do condomínio.

O rapaz contou que, ao chegar no prédio, por volta de 13h, pediu ao porteiro que interfonasse para o apartamento 1.202, sendo autorizado a subir por Martha. Ao chegar no imóvel, foi recebido por Alice, contra quem Willian “partiu para cima”, a colocando “na parede”, a amordaçando e amarrando suas mãos com durex que estava na cozinha. Ele diz ter ido em direção a idosa, que estava no escritório, e gritado: “Fica calma! Só quero o dinheiro!”. Assustada, ela respondeu: “Não precisa disso!”.

Aos agentes da DHC, Jonathan contou que Willian também amarrou e amordaçou Martha, enquanto ele foi ao seu quarto, pegou um talão de cheques e a obrigou a assinar quatro folhas. Ela chegou a preencher uma com R$ 1 mil, mas o comparsa teria dito que o valor era “muito baixo” e ela passou a preencher com R$ 5 mil. O rapaz então disse seguir o plano de ir até à agência bancária fazer os saques enquanto o outro homem ficava “tomando conta” da idosa para que ela não acionasse a polícia.

Ao sair do banco, Jonathan disse ter ligado para o celular de Alice e avisado a Willian que estava em posse do dinheiro e regressava ao apartamento. Ao tocar a campainha do imóvel, ele contou ter notado que o comparsa estava “visivelmente alterado” e repetia “Tá tranquilo! Tá tranquilo”, com as mãos cheias de sangue e segurando uma garrafa de álcool. Os dois teriam então deixado o local, atravessado a rua para fugir de câmeras de segurança, dividido os R$ 15 mil da vítima e voltado de metrô para Acari.

Jonathan disse aos policiais que, com o dinheiro roubado, pagou dois agiotas que estava devendo e fez compras para sua residência. Ele negou ter visto Martha e Alice sendo morta tampouco o apartamento sendo incendiado, crimes atribuídos por ele a Willian. Os cadáveres das duas mulheres foram localizados, por volta de 17h, pelo Corpo de Bombeiros. Pouco depois, uma faixa da Avenida Rui Barbosa chegou a ser interditada pela Polícia Militar, segundo o Centro de Operações (COR) da Prefeitura do Rio.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários