O governador Cláudio Castro (PL) e o deputado federal Marcelo Freixo (PSB) disputam a eleição para governador do Rio
Reprodução/O Globo
O governador Cláudio Castro (PL) e o deputado federal Marcelo Freixo (PSB) disputam a eleição para governador do Rio

A crise econômica e o controle da inflação são apontados pelos moradores do Rio como os principais desafios do próximo governador eleito, como mostra pesquisa qualitativa realizada pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Uerj (Iesp/Uerj). A preocupação com a economia fluminense supera, inclusive, os anseios relacionados à segurança pública e aos transportes — temas que, historicamente, costumam liderar este tipo de levantamento em ano de corrida eleitoral, mas que aparecem na segunda e terceira colocações.

Nas zonas Norte, Sul e Oeste da capital, a preocupação com o aumento da pobreza e a necessidade de criação de empregos se mostraram preponderantes, embora as percepções sobre este tema sejam diferentes, conforme a região em que os participantes da pesquisa residem. Entrevistados das zonas Norte e Oeste disseram sentir os efeitos da crise nos seus cotidianos, enquanto aqueles que residem na Zona Sul afirmaram perceber o acirramento da pobreza por meios externos. A metodologia adotada não estipula pontos percentuais sobre cada um dos temas abordados.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram  e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o   perfil geral do Portal iG. 

No âmbito econômico, os participantes do levantamento foram questionados com as perguntas: “Olhando para a sua vida atual, naquilo que você sabe ou ouve falar, poderia dizer como está sua situação econômica e a do estado do Rio de Janeiro? E para o futuro, o que espera para você e para o Rio?”.

Moradores da Zona Norte relataram ter as piores condições de vida e se mostraram preocupados com a escalada dos preços dos alimentos e a necessidade de se ocupar com empregos informais para complementar a renda. De acordo com o IBGE, a taxa de desemprego no Brasil caiu para 10,5% de fevereiro a abril deste ano, o menor nível para o trimestre desde 2015. A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), no entanto, atingiu 11,3% no acumulado em 12 meses até março.

Os entrevistados da Zona Oeste relataram preocupações com a escalada dos preços dos alimentos e declararam acreditar que é necessária uma intervenção do poder público para conter o quadro no Rio de Janeiro. O preço das tarifas das passagens do transporte público, que pesam diretamente sobre o salário dos fluminenses, também foi mencionado por moradores da região, que é mais distante do Centro.

Moradores da Zona Sul, por sua vez, expressaram a percepção sobre a crise econômica através do número de pessoas em situação de rua ocupando a região em que residem. A alta dos preços nos mercados também foi mencionada.

Embora o levantamento traga contrastes sobre o quadro, as entrevistas realizadas mostram pontos de convergência, explica Leonardo Magalhães, um dos coordenadores da pesquisa.

"Moradores de todas as regiões da capital e também do interior relatam uma grande frustração com a crise econômica, que atinge todo o país, mas, no Rio, a situação de pobreza ainda é bastante atrelada ao histórico de corrupção, o que faz com que a cobrança sobre o próximo governador seja ainda maior quanto a isto."

A falta de segurança foi amplamente citada pelos participantes de todos os grupos, sendo o segundo tema mais citado, seguido pela necessidade de melhoria nos transportes e revisão dos preços das passagens.

A pesquisa foi feita entre os dias 4 e 8 de abril, com 60 debatedores que compõem os seis grupos do Painel Online de Monitoramento de Tendências. Foram produzidas 474 interações com os entrevistados.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários