Tamanho do texto

Grupos de cinco homens armados invadiu casa lotérica e fez pelo menos 25 reféns, na hora da fuga, usaram vítimas para fazer um escudo humano. Veja

Após assalto a lotérica em Manaus, criminosos usaram reféns como escudo humano na hora da fuga
Reprodução/Globo News
Após assalto a lotérica em Manaus, criminosos usaram reféns como escudo humano na hora da fuga

Um assalto a lotérica na cidade de Manaus (AM) rendeu cenas de cinema para os moradores locais. Cinco homens armados invadiram o estabelecimento localizado na Avenida Grande Circular, na Zona Leste da cidade, por volta das 14h deste sábado (13) e fizeram, pelo menos, 25 pessoas reféns no local.

Leia também: PF mata 5, apreende metralhadora antiaérea e evita assalto a avião; veja o vídeo

A Polícia Militar local foi avisada, bloqueou a avenida e cercou o local enquanto um negociador da Polícia Civil tentou diálogo com os assaltantes que chegaram a atirar de dentro para fora da casa lotérica. O secretário de Segurança Pública do estado de Amazonas, coronel Amadeu Soares também esteve no local e acompanhou os trabalhos. Sem acordo, os criminosos que, segundo testemunhas, estavam armados com fuzis, maçaricos e gasolina, usaram os reféns para, após o assalto a lotérica , fazer um escudo humano na hora da fuga.

Alguns moradores locais conseguiram registrar o momento em que os criminosos, rodeados de reféns de mãos dadas fazendo um escudo humano , deixam o estabelecimento cerca de uma hora e meia depois de entrarem e seguem a pé pelas ruas da cidades.

Segundo as testemunhas, os criminosos seguiram andando pela av. Grande Circular até subirem a rua Rio Carauari. Em seguida, viraram na rua Rio Amazonas e, depois, entraram na rua Corupá, que é sem saída. Lá eles houve nova  troca de tiros  com a polícia.

Leia também: Preso engole faca durante briga em suposto plano de fuga da Papuda

Os vídeos foram publicados nas redes sociais:


Durante a negociação, os assaltantes chegaram a exigir drogas "para consumo próprio", um veículo para fuga, além da presença de familiares, de um advogado e de autoridades de defesa dos direitos humanos.

A advogada Raiany Priscila Feijó foi contatada pela esposa de um dos assaltantes e convenceu os criminosos a deixarem o local, no entanto, rodeados pelos reféns. Segundo entrevista para o Portal A Crítica, a droga seria para que eles "não sentissem nada" caso "alguma coisa acontecesse".

Leia também: Criminosos divulgam vídeo na internet de estupro coletivo de menino de 12 anos

Após deixarem os reféns para trás, na troca de tiros com a polícia, quatro assaltantes morreram. O quinto acabou sendo preso. Uma pessoa que passava pelo local do assalto a lotérica ficou ferida, mas ainda não está claro se ela foi atingida por um disparo ou se sofreu algum outro tipo de ferimento.