Policia prende suspeito de incendiar casa da ex e matar a filha dela
Reprodução
Policia prende suspeito de incendiar casa da ex e matar a filha dela

Policiais civis da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) prenderam Geraldo Pablo Santos Monsão, nesta quarta-feira, por suspeita de incendiar a casa da ex-mulher e matar a filha dela de 11 anos, em Senador Camará, na Zona Oeste do Rio. O crime aconteceu na madrugada do último sábado.

De acordo com a especializada, a menina Richelly Gonçalves estava sozinha em casa no momento do crime. Ela foi socorrida por vizinhos e encaminhada para o Hospital Municipal Albert Schweitzer, mas já chegou sem vida. O corpo da criança foi enterrado nesta quarta, no Cemitério do Murundu, em Realengo, também na Zona Oeste.

Ao 'Bom Dia Rio', da TV Globo, Jheniffer Cristine Ferreira, irmã da menina, disse que a mãe não estava na residência, quando Geraldo Pablo chegou. "Acredito que tenha sido por que ele já foi com intenção de fazer alguma coisa. E no caso, era minha mãe. E minha mãe não tava em casa, ela tinha saído pra comprar um lanche. E aí a única pessoa que ele encontrou foi minha irmã", relatou a jovem, que pediu justiça:

"O que eu quero mesmo é que aconteça justiça. Que ele não seja mais um desses casos que entram para estatística. Eu não quero isso. Não quero que ele só tenha feito e daqui a pouco esteja solto caminhando pela rua por bom comportamento. O que ele fez foi muito grave e muito sério. Ele tem que pagar por isso".
De acordo com o delegado adjunto da DHC, Pedro Casaes, responsável pelo caso, ele era violento e já agrediu a mãe de Richelly quando eram casados.

"Ele admitiu que já deu facadas nela e que não foi feito registro. Então ele tinha esse histórico de ser muito agressivo e muito ciumento. Ele já tinha ameaçado ela e a ameaça era de que ele iria machucar onde mais doía nela, que era a filha. Ele tinha total consciência que a filha estava dormindo. Ele viu, ateou fogo e fechou a porta para que ela não tivesse chance de sobreviver", disse Pedro Casaes.

Eles ficaram juntos por um ano, mas o relacionamento chegou ao fim há alguns meses. Os vizinhos contaram que Geraldo Pablo não aceitava a separação. Segundo a Polícia Civil, ele tem duas anotações criminais por violência doméstica, uma em 2019 e outra em 2009, quando era menor de idade.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários