Chuvas em Petrópolis (RJ)
Reprodução / CNN Brasil
Chuvas em Petrópolis (RJ)

Por Maria Eduarda, Gisela Arcaminate não tem limites. Incansável, a mãe da jovem que está desaparecida desde a tragédia que atingiu o Morro da Oficina, em Petrópolis não desiste da filha de 17 anos. No braço direito, Gisela leva o nome por extenso da filha, mas grita a todo instante pelo seu apelido: Duda.

A luta da mãe começou logo cedo. Nos primeiros raios de sol, a mulher partiu rua acima para tentar encontrar a filha. A cada buraco ou fresta entre os escombros, ela gritava por Duda e torcia para um sinal dela. Antes mesmo das 6h e da chegada dos bombeiros nos locais mais críticos, não passou por sua cabeça que subir sob lajes e escombros de outras casas poderia lhe trazer algum risco. Seu unico objetivo é claro: Duda.

Por Duda, Gisela cavou com pás e com as próprias mãos. A esperança que carrega consigo, mesmo que mínima após ver os estragos causados pela chuva, é o que lhe deu forças para gritar mais uma vez pela filha.

As horas foram passando e cada vez mais Gisela ficou em um estado de choque. Mesmo parada observando de longe o trabalho dos bombeiros ela não deixava de acreditar. Com outros pais que procuravam seus filhos, ela entrou em um modo "automático ", realizava as ações sem processar internamente as emoções.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários