Irmã de Marielle reprova troca de delegados no caso:
Reprodução/Flickr
Irmã de Marielle reprova troca de delegados no caso: "Passo atrás"

As investigações sobre o mandante da execução da  vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes mudaram de mãos mais uma vez. O delegado Alexandre Herdy foi nomeado, na última quarta-feira (02), como o novo titular da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) que apura o caso.

Para a irmã da parlamentar, Anielle Franco, a sensação é de que está sendo dado "um passo atrás na investigação". Para a vereadora Monica Benicio (PSOL), viúva de Marielle, falta empenho por parte do governador Cláudio Castro na elucidação do crime: "há trocas de mais e resultados de menos". No próximo mês, o crime completará quatro anos.

A saída do delegado Henrique Damasceno do Caso Marielle, em decorrência da sua promoção como diretor do Departamento Geral de Homicídios e Proteção à Pessoa (DGHPP), foi publicada no boletim da Polícia Civil nesta quarta-feira. Na mesma publicação, veio a informação de que Herdy deixou a 10ª DP (Botafogo) para assumir a Delegacia de Homicídios da Capital. A mudança pegou as famiílias de Marielle e Anderson de surpresa.

"Toda mudança que tem no caso da Mari traz a sensação de que foi dado um passo atrás nas investigações ou até mesmo de estagnação. São cinco mudanças já! A gente, enquanto família, não pode perder a esperança de que este crime bárbaro um dia se esclareça, não só julgando aqueles que estão presos, como também chegando ao mandante. Como sabemos, é um crime extremamente arquitetado, bem planejado", disse Anielle, que também é diretora do Instituto Marielle Franco, entidade que mantém a memória da parlamentar viva.

Apesar de entender o nível de complexidade do crime, a demora na elucidação tem incomodado tanto Anielle Franco quanto Monica Benicio.

"São quatro anos sem resposta! A gente tem que acreditar e manter as esperanças, porque nossa vida é feita disso. Causa preocupação, causa estranheza essa mudança, mas espero que quem entre dê continuidade com afinco. A gente recebe essa notícia (mudança de delegado) com dor no coração, pois estamos a menos de dois meses de completar quatro anos sem repostas, e as mudanças continuam acontecendo sem a gente saber quem mandou matar a Mari. Nosso papel, enquanto família e Instituto Marielle Franco, é prosseguir cobrando por Justiça. Não vamos desistir! Estamos preocupados e atentos a tudo que está acontecendo", afirmou a irmã de Marielle.

A viúva de Marielle disse que a paciência está se esgotando por não haver resultados quanto ao mandante do crime, às vésperas de o duplo homicídio completar quatro anos no próximo dia 14 de março:

"Durante todo esse tempo fui compreensiva. Agora não dá mais! Ao longo de quase quatro anos foram trocas de mais e resultados de menos. O governador Cláudio Castro precisa ser muito incompetente, ou coisa pior, pra nessa altura do campeonato ainda não ter uma resposta. De um lado ele desrespeita as famílias de Marielle e Anderson, pois ficamos sabendo de informações como essa pela imprensa. De outro, ele agride a sociedade, que tem o direito de saber quem mandou matar Marielle e por quê? Cláudio Castro, suas mãos também estão sujas de sangue!" desabafou Monica Benicio.

Leia Também

Num trabalho conjunto da Polícia Civil com o Ministério Público do Rio foi possível chegar, de acordo com as investigações, aos executores do crime: o sargento reformado da Polícia Militar Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio de Queiroz. Ambos estão presos nos pesídios federais de Porto Velho, em Rondônia; e Mossoró, no Rio Grande do Norte, respectivamente. No entanto, desde março de 2019, não se sabe ainda quem mandou matar Marielle e Anderson, nem a motivação para o crime.

A saída das promotoras Simone Sibílio e Letícia Emile da Força-Tarefa do Caso Marielle e Anderson (FTMA), em julho do ano passado, também causou preocupação nos parentes das vítimas, por receio de o caso demorar ainda mais tempo para ser elucidado.

Na época, o motivo de Sibílio e Emile deixarem os cargos, segundo fontes da instituição, teria sido o fato de haver "interferência externa" no trabalho do grupo. A solução apresentada pelo Ministério Público do Rio (MPRJ) foi a de nomear oito promotores do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) para cuidarem da investigação. O coordenador do Gaeco, Bruno Gangoni, chefia a equipe. As investigações estão sendo mantidas em sigilo.


Procurados, a Polícia Civil e o MPRJ responderam por meio de notas o questionamento da família de Marielle.

A Polícia Civil informou que: "O Dr Henrique Damasceno passa a ser o diretor do Departamento-Geral de Homicídios da Polícia Civil. Logo, não haverá nenhum prejuízo nas investigações do caso Marielle. Ele, hoje, responde por todas as unidades de homicídio da instituição".

Já a resposta do Ministério Público foi que: "O Gaeco/MPRJ não vai se pronunciar. Os trabalhos de investigação seguem o curso normal".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários