Buraco na Marginal Tietê começou a ser fechado pela empresa responsável
Reprodução/TV Globo
Buraco na Marginal Tietê começou a ser fechado pela empresa responsável

ruptura de uma adutora de esgoto na obra da Linha 6 - Laranja do Metrô causou um prejuízo imenso ao paulistano. Desde a manhã de ontem (1), a pista local da Marginal Tietê, sentido Rodovia Ayrton Senna, está interditado.

Para o presidente do Crea-SP (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de São Paulo), Vinicius Marchese, a operação do tatuzão, equipamento que abre caminho para os túneis do Metrô, pode ter contribuído para a ruptura na adutora de esgoto da Sabesp.

"Há um risco na movimentação do tatuzão, nessa proximidade. E esse risco com certeza foi previsto. Você "corre riscos" com uma iniciativa desse porte, subterrânea, quando passa perto de galerias como essa. Mesmo não tendo a colisão com a galeria, pode sim ter desestabilizado o terreno", afirmou, em entrevista ao iG.

Marchese fala que em situações como essas, é necessário cautela antes de apontar culpados ou causas.

"São várias hipóteses - a própria escavação, essa movimentação que está sendo feita em paralelo à galeria pode ter sim causado essa ruptura. O acúmulo de chuvas dos últimos dias pode ter mudado a situação do solo. A própria galeria pode ter apresentado algum desgaste, e rompido por algum motivo desconhecido. É realmente preciso aguardar a perícia para saber o que causou".

Durante a tarde de ontem, a chuva fez com que a cratera aumentasse de tamanho. Ontem, a Defesa Civil emitiu um novo alerta para tempestades em todo o estado válido até amanhã (3). O fator, segundo o engenheiro, também pode ter contribuído para o agravamento do acidente.

Leia Também

"Ontem, claramente, você percebe que o aumento da chuva auxiliou no aumento do problema. A água não auxilia nesse momento. Todos esses fatores combinados podem ajudar a diminuir os problemas ou a aumentar o problema."

Mais cedo, o prefeito Ricardo Nunes (MDB) afirmou que, a depender do procedimento necessário para recuperação da cratera, a pista pode começar a ser liberada já no dia 4 (sexta-feira) . Uma outra possibilidade é a liberação no dia 11 de fevereiro. Durante a manhã, caminhões preencheram o buraco com concreto (foto).

O especialista do Crea-SP diz que os reflexos de um acidente dessa dimensão em uma cidade como São Paulo são "imprevisíveis".

"E isso vai demorar, infelizmente. Espero que esse trabalho seja compartilhado e que todas as instituições envolvidas entendam a necessidade dessa via para a vida das pessoas, para a mobilidade das pessoas, e que a gente consiga chegar a normalização o mais rápido possível", avalia.

"São Paulo já tem uma característica de imprevisibilidade. Não tem uma lógica. Nós temos uma certeza: que a mobilidade em São Paulo não favorece a vida das pessoas, e um problema em uma via tão importante pode fazer isso se agravar."

** Filha da periferia que nasceu para contar histórias. Denise Bonfim é jornalista e apaixonada por futebol. No iG, escreve sobre saúde, política e cotidiano.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários