Ricardo Nunes (MDB), prefeito de São Paulo
Afonso Braga/Câmara Municipal de São Paulo
Ricardo Nunes (MDB), prefeito de São Paulo

A cidade de São Paulo ganhou um reforço nas políticas públicas voltadas para a localização familiar e busca de pessoas desaparecidas. O Diário Oficial publicou o DECRETO Nº 60.995, de 10 de janeiro de 2022, promulgado pelo prefeito Ricardo Nunes, onde Institui a Política Municipal de Busca de Pessoas Desaparecidas, Localização Familiar e Atenção a Familiares de Pessoas Desaparecidas, bem como define as diretrizes para a sua implementação.

Mas, mesmo antes do decreto, a Cidade de São Paulo, por meio da Divisão de Localização Familiar e Desaparecidos da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC), realiza ações efetivas no âmbito da localização de pessoas desaparecidas na cidade.

"A instituição desta política marca uma importante conquista e o reconhecimento pelo trabalho de busca por pessoas desaparecidas já realizado aqui na capital através de ações desenvolvidas pela Divisão de Localização Familiar e Desaparecidos", afirma Claudia Carletto, secretária municipal de Direitos Humanos e Cidadania.

"Representa uma estruturação e reforço essenciais para nosso trabalho e campanhas de conscientização sobre a busca por pessoas desaparecidas, para que ainda mais casos possam ser resolvidos", conclui.

Desde o ano passado, graças a uma parceria com as concessionárias Companhia do Metropolitano de São Paulo e ViaQuatro, quem passa pelas estações de metrô pode ver nas telas da TV Minuto, instaladas dentro dos vagões, e nas demais telas espalhadas pelas estações, vídeos com imagens de pessoas desaparecidas na cidade de São Paulo. Os alertas também podem ser vistos nos monitores presentes no Shopping Light.

Leia Também

A SMDHC também mobilizou os cidadãos da cidade com a campanha “Se você estivesse aqui...”, aliando informação e sensibilidade na divulgação de pessoas desaparecidas e promovendo a empatia da população para com esta causa.
Ações como essa, aliadas a um trabalho de busca ativa e qualificada, geram resultados significativos.

Só no ano passado, de 2.555 solicitações e registros de desaparecidos, somando os casos registrados no IML – Instituto Médico Legal, em hospitais, perda de contato e localização familiar, foram localizadas 752 pessoas.

"Contar com uma Política Municipal de Busca de Pessoas Desaparecidas permite estruturar de maneira mais eficiente e transparente nossos esforços neste trabalho, otimizando políticas e fortalecendo a capacidade do poder público em identificar e solucionar casos, além de ajudar na prevenção de novas ocorrências", afirmou Darko Hunter, coordenador da Divisão de Desaparecidos da SMDHC.

A Divisão de Localização Familiar e Desaparecidos também conta com um Posto Avançado de atendimento dentro do Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro Pop), na rua Mauá, nº 36 – próximo à Estação Júlio Prestes. O serviço funciona de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários