Passaporte da vacina já gerou 548 fiscalizações da prefeitura do Rio, mas foram apenas quatro multas aplicadas
Pixabay
Passaporte da vacina já gerou 548 fiscalizações da prefeitura do Rio, mas foram apenas quatro multas aplicadas

Desde 15 de setembro, quando entrou em vigor o primeiro decreto municipal que estabeleceu a obrigatoriedade de apresentação do passaporte da vacina para entrar em estabelecimentos fechados, já ocorreram no Rio 548 fiscalizações exclusivas sobre a medida, realizadas pelos auditores do Instituto Municipal de Vigilância Sanitária, Vigilância de Zoonoses e de Inspeção Agropecuária (Ivisa). O número de multas ainda é baixo: quatro até agora, no valor total de R$ 9.280. Entre os infratores, estão um restaurante, um clube e um teatro, localizados na Barra da Tijuca e no Centro. A medida, no entanto, segue gerando dúvidas. E, apesar de ter tido sua abrangência ampliada a mais lugares há cerca de 20 dias, continua sendo descumprida por parte do comércio.

A reportagem do GLOBO acompanhou esta semana uma ronda educativa do Ivisa para coibir o descumprimento da regra. Na manhã da última terça-feira, os fiscais percorreram Copacabana e Leme, na Zona Sul. E explicaram como vem sendo realizado o trabalho.

"Na visita, pedimos ao responsável do local que deixe um funcionário na entrada com a atribuição de checar o passaporte de cada visitante", diz Renata Cabral, uma das auditoras.

Como verificado na ronda, contudo, alguns locais têm preferido apenas questionar o visitante se ele tem os documentos em mãos, sem pedir para vê-los. Um deles é o tradicional restaurante La Fiorentina, no Leme, cujo sócio-investidor, Delorme Lima, diz que não recebeu ordem para pedir o passaporte na entrada.

"Se exigissem, nós faríamos", afirma Lima, que defende o passaporte e informa que adotará a mudança nas comemorações de réveillon.

Leia Também

Reforço nas rondas

Justamente orientar os donos dos estabelecimentos quanto às regras é um dos objetivos das vistorias do Ivisa, já que a desinformação ainda é uma das maiores razões de desrespeito às normas sanitárias. Outro motivo das rondas pode ser a checagem de denúncias de infrações. Secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz ratifica qual é a exigência:

"O cliente não pode nem se sentar sem ter apresentado, na entrada, o comprovante de vacinação e o documento de identificação com foto."

Ele atribui os atuais descumprimentos ao tempo que alguns setores estão levando para se acostumar à medida. Segundo ele, a prefeitura vai reforçar a fiscalização nas próximas semanas.

"Foi um período de adaptação dos setores regulados. A grande maioria deles aderiu. Cada vez mais a gente vai intensificar a fiscalização e as multas. Também recebemos demandas pelo 1746. Nós consolidamos as denúncias, fazemos a inspeção in loco e, se necessário, aplicamos as multas", afirma o secretário de Saúde.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários