Festa de Réveillon: Castro confirma queima de fogos no Rio de Janeiro
Gabriel Monteiro/Agência O Globo
Festa de Réveillon: Castro confirma queima de fogos no Rio de Janeiro

governador do Rio, Claudio Castro (PL), confirmou que a capital terá queima de fogos em Copacabana, na Zona Sul, e em outros pontos da cidade, apesar do cancelamento da festa com shows. As festas privadas estão permitidas e cada município vai estipular as suas regras sanitárias para realização. De acordo com Castro, o estacionamento na orla será proibido, como forma de impedir aglomerações. Os transportes também não terão esquema especial de funcionamento na noite do dia 31, como forma de evitar o fluxo de pessoas para as áreas em que acontecerão os shows pirotécnicos.

"Ontem, eu e o prefeito Eduardo Paes conversamos melhor sobre o tema. Achamos razoável o pedido pela exibição de fogos de artifício, mas concordamos com o temos em relação à variante Omicron da Covid-19. Proibição de estacionamento. Ainda definiremos como os transportes serão restritos nesses dias, mas já sabemos que não será permitido o estacionamento da orla. Essas medidas serão conversadas e alinhadas pelos comitês científicos estadual e municipal, além de secretários envolvidos nessa operação logística", afirmou.

Em uma postagem no seu perfil no Twitter na noite desta segunda-feira, dia 6, o prefeito do Rio, Eduardo Paes, informou que esteve com o governador Claudio Castro e pediu que ele leve ao comitê científico uma demanda para que a festa de réveillon tenha queima de fogos em Copacabana e em alguns outros pontos da cidade.

Conversas entre comitês

"Estive agora à noite com o governador Claudio Castro. Pedi que levasse a seu comitê científico a possibilidade de realizarmos ao menos os fogos em Copacabana e em alguns pontos centrais da cidade. @danielsoranz irá conduzir as negociações acerca do que é possível ser feito", escreveu o prefeito.

Na manhã do último sábado, na sua conta de Twitter, Paes havia informado que o Rio não teria festa de réveillon este ano na Praia de Copacabana e em outros pontos da cidade, como tradicionalmente ocorre. Segundo ele, entre a decisão dos comitês científicos municipal e estadual, vai valer sempre a mais restritiva.

Leia Também

"O Comitê da prefeitura diz que pode. O do Estado diz que não. Então não pode. Vamos cancelar dessa forma a celebração oficial do réveillon do Rio", escreveu ele na rede social, destacando uma matéria publicada pelo jornal "Extra" com especialistas.

Leia Também

No sábado, Paes afirmou na postagem que vinha conversando com o governador Claudio Castro e que a recomendação de cancelamento não era o que ele vinha lhe passando até então. Ele ressaltou que está acatando a decisão estadual. Segundo a Riotur, a festa ainda não tinha patrocínio oficial para este ano.

Horas após Paes anunciar o cancelamento da festa de réveillon, Castro disse que a decisão final das autoridades sobre o tema será comunicada esta semana, após uma reunião entre os chefes do Executivo municipal e estadual. Também participarão do encontro membros dos comitês científicos da capital e do estado.

"Falei há pouco com o prefeito Eduardo Paes e decidimos, juntos, que faremos uma reunião na próxima semana para uma decisão final sobre as festas do réveillon. Nesse encontro, participarão técnicos da saúde do Estado e do município", escreveu Castro no Twitter por volta das 13h do último sábado.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários