e Odette Vidal Cardoso, conhecida como Odetinha.
Reprodução
e Odette Vidal Cardoso, conhecida como Odetinha.

O Papa Francisco autorizou nesta quinta-feira a promulgação do decreto que reconhece as virtudes heroicas de Odette Vidal Cardoso, conhecida como Odetinha. Até então considerada "serva de Deus", a menina que nasceu no Rio de Janeiro, em 1931, e morreu aos 8 anos, recebe o título de "venerável" e avança mais um degrau no processo de beatificação.

Arcebispo do Rio, Dom Orani João Tempesta comemorou a notícia. Em entrevista ao site "Vatican News", o cardeal descreveu Odetinha como “uma menina que rezava, cuidava dos pobres, tinha uma grande preocupação com os necessitados e que deixou belos exemplos".

"Pedimos a Deus para que, cada vez mais homens e mulheres, jovens e adultos, adolescentes, crianças e idosos possam se santificar nesta grande cidade. Odetinha é a primeira venerável dessa nossa arquidiocese, dessa nossa cidade. E nós bendizemos a Deus, que muitos outros sejam reconhecidos na sua caminhada de santidade nesta cidade", disse Orani.

O processo de beatificação de Odetinha foi iniciado em janeiro de 2013, com uma cerimônia na Igreja Nossa Senhora da Glória, no Largo do Machado. No início de 2015, foi encaminhada à Santa Sé a documentação reunida pelo Tribunal Eclesiástico da arquidiocese do Rio, que recebeu parecer favorável pela Congregação da Causa dos Santos, em 2016. Após ser considerada venerável, o próximo passo é a beatificação, quando houver um milagre atribuído à intercessão daquele Venerável que seja reconhecido pelo Vaticano.

Leia Também

Leia Também

Quem foi Odetinha

Filha de portugueses que emigraram para o Brasil, Odetinha nasceu no Rio de Janeiro, em 18 de fevereiro de 1931. Em 1939, a mãe de Odetinha ficou viúva e se casou com um rico comerciante, que acolheu a menina como se fosse sua filha.

Leia Também

Odetinha participava todos os dias da missa com a sua mãe e rezava o terço com sua família todas as noites. Dedicada à caridade com os que mais precisavam, gostava de ajudar sua mãe, que fazia uma feijoada aos sábados para os pobres. A menina, então, colocava seu avental e servia a todos alegremente.

Aos cinco anos, começou a frequentar o catecismo no Colégio São Marcelo, da Paróquia Imaculada Conceição, em Botafogo, em Botafogo. O padre Alfonso Maria Germe percebeu a "extraordinária maturidade" de Odetinha na fé e admitiu que a menina fizesse a primeira comunhão em 15 de agosto de 1937.

Depois de ter adoecido com tifo em 1º de outubro de 1939, a Serva de Deus, durante os 49 dias de doença, mostrou uma fortaleza fora do comum. Suportou os sofrimentos com serenidade e paciência, e nunca se queixou. Recebeu a comunhão diariamente e, nos últimos dias de vida, também recebeu os sacramentos da crisma e unção dos enfermos.

Odetinha morreu no dia 25 de novembro de 1939, com fama de santidade. Desde então, fiéis lotam o túmulo da menina, no Cemitério São João Batista, para depositar mensagens de agradecimentos a graças e milagres alcançados.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários