Presidente Jair Bolsonaro e ministro Luis Roberto Barroso
Reprodução
Presidente Jair Bolsonaro e ministro Luis Roberto Barroso

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, ironizou o presidente Jair Bolsonaro e recomendou música de traição e pensamento de Primo Levi sobre fascismo em suas redes sociais. A publicação foi realizada na sexta-feira (10) por meio do Twitter. 

Um dos principais alvos de ataques de Bolsonaro, Barroso recomendou o pensamento "Cada época tem o seu próprio fascismo", referente as atitudes do governo que lembram governos autoritários. O ministro da Suprema Corte ainda aconselhou a música Paixão de Um Homem (A carta), escrita por Milionário e José Rico, mas cantada por Waldick Soriano. A canção trata de uma carta enviada a uma mulher após um caso de traição. A mensagem foi vista como ironia à "Declaração à Nação" divulgada por Jair Bolsonaro na quinta-feira (09), em que recua dos ataques feitos ao STF e ministros. 

Tensão entre os poderes 

Nos últimos meses, decisões dos ministros do STF Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso têm sido questionadas veementemente pelo presidente Jair Bolsonaro, inclusive com pedido de impeachment contra Moraes e ameaças de não respeitar determinações do judiciário. As disputadas ganharam força quando Barroso pediu para que Moraes indiciasse Bolsonaro no inquérito das Fake News, após ataques do presidente às urnas eletrônicas. 

No último dia 7 de setembro, Bolsonaro participou de atos a favor de seu governo em Brasília e São Paulo. Nas manifestações, o presidente atacou a Suprema Corte e enfatizou falas antidemocráticas. 

Após a repercussão negativa nas falas, perda de apoio de partidos do Centrão e ameaça de novos pedidos de impeachment, Bolsonaro recorreu ao ex-presidente Michel Temer, que aconselhou recuar de suas falas e tentar melhorar a relação com o judiciário. Em uma nota, o presidente disse nunca ter atacado instituições, elogiou Alexandre de Moraes e ressaltou haver apenas discordâncias em alguns temas.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários