Francisco de Assis Peixoto, prefeito de cidade de Goiás, preso por aliciar menores
Reprodução
Francisco de Assis Peixoto, prefeito de cidade de Goiás, preso por aliciar menores

Preso nesta quarta-feira (28) por suspeita de crime contra a dignidade sexual de menores, o prefeito de São Simão (GO), Francisco de Assis Peixoto (PSDB),  teria feito uma videochamada para mostrar partes íntimas a um adolescente de 15 anos. A informação foi dada pela mãe da vítima à TV Anhanguera/Globo.

A mãe da adolescente conta que o prefeito se aproximou de seu filho por meio de mensagens no aplicativo WhatsApp.

As mensagens mostram o prefeito questionando se o adolescente "quer ver" suas partes íntimas. "Vou ligar e você mostra”, respondeu o menor. O assediador ainda diz: "E você também”.

A videochamada aconteceu. Imagens gravadas mostram um trecho em que aparece o rosto de Assis Peixoto aparece.

Você viu?

Ontem, um funcionário público da Prefeitura de São Simão afirmou nas redes sociais ter sido uma das vítimas do prefeito.

"Eu fui um dos inúmeros 'garoto do Assis' dentro desse município. Ontem eu denunciei ele ao promotor. E vou processá-lo por danos morais e materiais pelos abusos sexuais que fui vítima dos 9 aos 16 anos (2001 até 2007), e que mantive em segredo até hoje. Sou portador de graves transtornos mentais por isso. Muito sofrimento… A cidade merece esta minha satisfação. Dinheiro não me compra, eu já defendi muito ele, agora estou enfim liberto dessa sombra na minha vida", escreveu.

"Eu achava que ele tinha parado com isso, que era uma fase que passou, que não estava acontecendo mais e no meu coração eu tinha perdoado", disse o funcionário em um vídeo posterior. "Eu percebi que as coisas que aconteciam 15, 20 anos atrás continuam acontecendo exatamente até hoje e sabe-se lá até quando iria acontecer se não tomássemos uma atitude", completou.

A Prefeitura de São Simão declarou em nota que as acusações são infundadas e que o caso será esclarecido ao longo das investigações. O iG tentou contato com a defesa do prefeito, mas não obteve sucesso até a publicação desta matéria.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários