Presidente brasileiro insinuou nesta quarta-feira que a crise na Argentina aumentou com a gestão de Alberto Fernández, líder da esquerda
O Antagonista
Presidente brasileiro insinuou nesta quarta-feira que a crise na Argentina aumentou com a gestão de Alberto Fernández, líder da esquerda

Operação Acolhida: Criada em 2018 para acolher refugiados de países vizinhos , terá Rio Grande do Sul como sede da próxima operação realizada pelo governo federal. O plano seria dedicado aos argentinos.

Jair Bolsonaro (sem partido), em conversa com apoiadores nesta quarta-feira, 28, no Palácio da Alvorada, em Brasília, decidiu adiantar a operação.

De acordo com a fala de Bolsonaro, a culpa da ascensão da crise é do governo argentino de esquerda. Dessa forma, o Brasil estaria planejando a operação “se adiantando ao problema”.

Ainda, o presidente do Brasil igualou a situação da Argentina à realidade da Venezuela , que vive um conflito político e econômico desde 2016.

“Se a esquerda voltar na Argentina, vamos ter problema. Falei isso em 2019. Se a esquerda voltar aqui [no Brasil], quem vai oferecer operação acolhida para nós, um país de 210 milhões de habitantes? Não precisa ter bola de cristal para saber o que vai acontecer”, defendeu Bolsonaro.

“O imbecil não aprende nunca. É o jumentão que fala ‘Lula Livre’. Tô a fim de fazer uma operação fechando fábrica de mortadela no Brasil”, ironizou Bolsonaro, além de citar o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). 

Desde 2018, o presidente argentino e o presidente brasileiro são rivais. A oposição entre eles fez com que Jair Bolsonaro não comparecesse à posse de Alberto Fernandéz , em dezembro de 2019 .

A Operação Acolhida acontece desde fevereiro de 2018 no Brasil. Ela foi iniciada em Roraima, que recebeu refugiados venezuelanos em seu território. 

As falas de Jair Bolsonaro (sem partido) sobre o assunto foram divulgadas por meio de um vídeo no canal do YouTube de um apoiador do governo. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários