Boneco inflável do Capitão Cloroquino
Foto: Movimento Acredito
Boneco inflável do Capitão Cloroquino

Nesta terça-feira (25), ativisitas do Movimento Acredito instalaram, em Brasília, um boneco inflável do presidente Jair Bolsonaro . Batizado de " Capitão Cloroquino" , o boneco tem cerca de dez metros de altura e representa, de forma caricata, Bolsonaro com a faixa presidencial manchada de sangue, usando a capa e a foice da Morte e exibindo uma caixa de “cloropina” — a exemplo do que fez o presidente com a cloroquina contra a Covid-19. As informações são da Veja




Você viu?

Membro do movimento foram logo cedo à  Esplanada dos Ministérios fazer o protesto contra o presidente, mas foram impedidos de inflar o boneco pela Polícia Militar do Distrito Federal.  A justificativa apresentada pela PM, em nota, foi a de que o grupo não teria a devida autorização para fazer a manifestação. Lucas Paulino , um dos membros do Acredito, no entanto, garante ter enviado a PM um ofício no dia anterior avisando da manifestação e a caracterizando como pacífica e com poucas pessoas.

De acordo com a assessoria do Acredito, horas depois da ação da polícia, eles foram liberados pela Secretaria de Segurança do Distrito Federal para erguerem o boneco em outro lugar, fora da Esplanada. Por isso o Capitão Cloroquino foi inflado na Praça da Torre , no Eixo Monumental de Brasília.

Paulino declara em um um vídeo publicado em seu twitter que a ação ocorre para criticar a " necropolítica negacionista que gerou centenas de milhares de mortes evitáveis, disse. Na publicação ele também cita a ação da Polícia Militar que "restringiu a liberdade de manifestação" do grupo.

“Não autorizaram a gente a encher o boneco inflável. E é curioso, né?, que a gente viu nos últimos cinco anos nos últimos cinco anos vários bonecos infláveis contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva , contra a presidente Dilma , e na hora que a gente vai protestar contra o presidente Jair Bolsonaro, nossa liberdade de manifestação é tolhida”, declarou o ativista.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários