Prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes
Reginaldo Pimenta / Agência O Dia
Prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes

O prefeito do Rio de Janeiro , Eduardo Paes (DEM), pediu que a população se vacine contra a Covid-19 e disse que “vamos parar de besteira" uma vez que tem havido resistência por parte da população em se imunizar. Na manhã desta sexta-feira, dia 30, durante coletiva, ele falou sobre a manutenção de algumas medidas de restrição contra pandemia , como a liberação das praias, em razão de indicativos como a redução da procura nos atendimentos de emergência da cidade:

"Os números mostram uma mudança na curva, a estabilização da procura nos atendimentos de emergência. Ainda que se mantenha a quantidade de internação. Por isso, estamos mantendo as restrições", disse Paes na divulgação do 17º Boletim Epidemiológico da Covid-19 no município.

O prefeito afirmou ainda que o município está com um nível muito alto de contaminação . A equipe destacou a importância da vacinação para frear o avanço da pandemia no Rio. No momento, cerca de 2 milhões de doses de imunizantes foram aplicadas na capital. De acordo com o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, não há notificações de pessoas que tomaram dose da Oxford/AstraZeneca ou da CoronaVac.

"Vamos parar de besteirada. Politizaram a vacina, falaram mal da China. A Anvisa avalia todas as vacinas e não tem porque não se vacinar. As doses são seguras", enfatizou Paes.

De acordo com dados do município, há estabilidade no número de atendimentos na rede de urgência e emergência a pacientes com quadro gripal ou respiratório. O índice mostra, no entanto, um "platô bastante alto", como definido por Paes. O que contribui para a classificação de risco muito alto para a Covid-19 na cidade do Rio . Esse cenário contribuiu para a permanência de medidas de restrições, apesar de alguma flexibilização.

"Isso mostra que a gente está longe de estar numa situação confortável, por isso a manutenção das medidas restritivas, permitindo que a cidade funcione. A gente sabe que não dá para fechar tudo para todo o sempre, mas por isso a gente chama mais uma vez a atenção das pessoas para que tomem esse cuidado, para que tenha esse zelo porque é uma situação melhor do que quando começamos a impor medidas restritivas, mas ainda não é uma posição e nem uma situação confortável", destacou o prefeito.

Paes editou, nesta sexta-feira, u m novo decreto renovando até 10 de maio medidas para tentar reduzir os casos de Covid-19. Uma pequena diferença no texto em relação à versão anterior é que, apesar de o funcionamento de bares e restaurantes continuar limitado até as 22 horas com público, é concedida uma hora adicional de tolerância para os clientes deixarem o local. Mas o funcionamento será a portas fechadas. Para serviços de retirada de alimentos, drive thru e delivery, não há restrições de horário, como nas versões anteriores do decreto.

O que continua proibido:

  • Presença de ambulantes e banhistas nas praias aos sábados, domingos e feriados. Liberada em outros dias.
  • Áeas de lazer da orla da Zona Sul aos domingos (pistas da praia das avenidas Vieira Souto, Delfim Moreira e Atlântica).
  • Entrada de ônibus e outros veículos de fretamento para turismo "bate e volta". Liberado se trouxerem visitantes que ficarão hospedados na cidade ou alugados por empresas para transportar funcionários.
  • Boates, danceterias, salas de dança e casas de espetáculo.
  • Festas, shows e rodas de samba em áreas públicas e particulares.
  • Permanência em áreas públicas das 23h às 5h.
  • Atividades econômicas não essenciais liberadas até as 22h, mas com limitação de público e proibição de formação de filas de espera.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários