Alesp adia votação de afastamento de deputado que assediou colega Isa Penna
Reprodução
Alesp adia votação de afastamento de deputado que assediou colega Isa Penna

Deputados estaduais de São Paulo não chegaram a um consenso sobre a votação do projeto de resolução que prevê o afastamento de Fernando Cury (Cidadania), acusado de assédio sexual contra a colega Isa Penna (PSOL) durante uma sessão em dezembro. Após quse oitio horas de discussão, o debate foi adiado para esta quinta-feira (1). A sessão foi marcada por confrontos entre os parlamentares e acusação de machismo.

O Conselho de Ética aprovou uma punição de 119 de afastamento de Cury, sem pagamento de salário. Aliados de Isa Penna queriam a opção de poder votar, em plenário, pela cassação do mandato, apresentando emendas ao projeto de resolução. Após consulta à Procuradoria da Alesp, o presidente da Casa, Carlão Pignatari (PSDB), disse que não é possível apresentar emendas nem modificar o projeto e que o plenário deve, apenas, votar a favor ou contra o relatório do Conselho de Ética.

Os questionamentos acerca de eventuais mudanças na pena de Cury travaram o debate nesta quarta-feira, e Pignatari convocou uma reunião do Colégio de Líderes para as 9h de quinta-feira, a fim de chegar a um acordo antes da votação.

O presidente da Alesp também afirmou que vai convocar o suplente de Cury, Padre Lobato (PV), caso o deputado seja afastado. O entendimento, também referendado pela Procuradoria da Alesp, vai contra o que havia decidido o Conselho de Ética. Apoiadores de Cury haviam reduzido a suspensão para 119 dias justamente para evitar a convocação do suplente. Com isso, eles manteriam os assessores do parlamentar punido trabalhando normalmente. O suplente poderá contratar seus próprios assessores.

Isa Penna e Emídio de Souza (PT), que foi derrotado no Conselho de Ética ao propor uma punição de seis meses a Cury, entraram com mandado de segurança no Tribunal de Justiça de São Paulo na última terça-feira pela possibilidade de cassar Cury em plenário. O desembargador Francisco Casconi, no entanto, negou a liminar dos parlamentares de oposição — o mérito da questão ainda será discutido.

A sessão foi marcada por confronto entre parlamentares.

Isa Penna se queixou das interrupções que sofreu ao longo das três sessões extraordinárias realizadas nesta quarta-feira. Ela teve o microfone cortado em duas ocasiões ao criticar colegas. Na terceira tentativa de se pronunciar, a deputada foi interrompida por Wellington Moura (Republicanos), que presidia a sessão. Moura disse que iria "ensinar" a deputada como proceder numa questão de ordem, recurso usado por parlamentares para fazer algum questionamento regimental.

A deputada Professora Bebel (PT) chamou o deputado de "machista". É de Wellington Moura a proposta em votação para punir Cury com afastamento de 119 dias.

Ao longo dos debates, deputadas fizeram declarações firmes contra a atitude de Cury.

"O dia de hoje é memorável porque estamos parando a Assembleia Legislativa para dizer o seguinte: aconteceu um crime neste lugar. Nós não toleraremos o assédio, o tratamento e a abordagem que foi dada à deputada Isa Penna. Nenhuma mulher pode ser tratada dessa maneira, vista ela uma saia curta, um decote, esteja nua", declarou Patrícia Bezerra (PSDB).

Duas deputadas do PSL, Janaina Paschoal e Valéria Bolsonaro, criticaram PT e PSOL por não terem sugerido a cassação de Cury no colegiado, uma vez que tinham representação no órgão. Os partidos apoiaram a suspensão por seis meses. Tanto Valéria como Janaina, no entanto, condenaram a atitude de Fernando Cury, que foi flagrado por uma câmera da Alesp apalpando o seio de Isa Penna em plenário, numa votação em 16 de dezembro durante votação do orçamento do Estado.

"Deixo aqui a minha indignação com os deputados que votaram por essa pena absurda. Todos homens. É um ultraje para nós, mulheres. Eu espero que isso nunca aconteça com as mulheres, filhas, sobrinhas, netas de vocês. Porque hoje vocês deram para a Assembleia a pecha de machista, de que o homem pode fazer o que ele quer, que a gente passa um paninho e deixa isso para lá", afirmou Valéria Bolsonaro.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários