Marcelo Guimarães, morto durante um confronto policial perto da Cidade de Deus
Reprodução
Marcelo Guimarães, morto durante um confronto policial perto da Cidade de Deus

Uma testemunha que viu o momento em que Marcelo Guimarães, de 38 anos, foi atingido por bala perdida próximo à Cidade de Deus , na Zona Oeste do Rio de Janeiro , afirmou que o tiro partiu de dentro do blindado da Polícia Militar. Segundo a testemunha, eram dois policiais militares do 18º BPM (Jacarepaguá) que estavam presentes na hora que o projétil atingiu o morador, que passava de moto na Avenida Edgard Werneck, em Jacarepaguá, na manhã desta segunda-feira, dia 4.

"Eles entraram no caveirão segundos antes de o Marcelo passar de motocicleta. Eu vi o momento que a arma saiu e o disparo foi feito. Acertou em cheio no peito do Marcelo. Ele acabou sendo atingido, mas a bala poderia ter me acertado se ele não estivesse ali", conta a testemunha, que agora teme pela sua vida.

Os sonhos de Marcelo e da família foram interrompidos nesta segunda-feira. Ele planejava fazer uma viagem especial com a mulher, Carla, para Bonito, destino turístico em Mato Grosso do Sul, em abril deste ano. No próximo dia 29, eles completariam 22 anos de casados e programavam um churrasco para celebrar a data.

"Minha preocupação são meus filhos. Seria a minha primeira viagem de avião, estávamos tão empolgados", diz a esposa.

A comerciante Carina Guimarães, de 35 anos, chegou ao local minutos depois do irmão ser baleado. Ela estava saindo da academia quando recebeu um telefonema da cunhada, chorando e dizendo que estava "embaixo da Linha Amarela", pedindo ajuda. Perto do local, Carina foi alertada por um mototaxista de que uma pessoa tinha sido baleada ali. Foi aí que ela ligou os fatos e deduziu a morte de Marcelo.

"Ele sempre trabalhou para dar um futuro para a família. Há uns dias ele me disse que em 2021 ele trabalharia menos e aproveitaria o tempo para viajar e aproveitar a vida. Infelizmente isso não foi possível, tiraram a vida do meu irmão", diz.

Moradores acusam PMs, que alegam confronto

De acordo com a Polícia Militar havia um confronto no local, mas moradores da Cidade de Deus negam essa versão e dizem ter ouvido apenas um tiro. A perícia da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC) foi acionada. Segundo a versão da PM, o confronto começou quando equipes do 18º BPM que faziam um patrulhamento na Edgard Werneck e foram alvos de disparos feitos por bandidos que estavam na Cidade de Deus. Os agentes, segundo a corporação, revidaram.

"Não houve operação da PM no local. Marginais rechaçaram com disparos nosso blindado, que vem sendo posicionado no local para dissuadir possíveis investidas. Nesse contexto foi atingido um motociclista que vinha saindo da comunidade e, pela posição dos disparos, é improvável que tenha sido vitimado pelas guarnições da PM", disse o coronel André Silveira, comandante do 18º BPM.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários