Fabio Mendes Marzano
Reprodução
Fabio Mendes Marzano

O Senado rejeitou, nesta terça-feira (16), por 37 votos a 9, a indicação do diplomata Fabio Mendes Marzano para o cargo de delegado permanente do Brasil em Genebra, na Suíça, para integrar missão junto à Organização das Nações Unidas (ONU). Esta é a primeira rejeição de um diplomata pelo plenário no atual governo, algo considerado raro.

Marzano havia sido aprovado pela Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional. O placar na comissão foi de 13 a 0, favorável ao embaixador. Porém, o diplomata se indispôs com a senadora Kátia Abreu (PP-TO) durante a sabatina.

Na ocasião, a parlamentar perguntou se a questão ambiental pode ser usada como "barreira" ou "dificuldade" pelos produtores rurais europeus com objetivo de impedir o acordo entre Mercosul e União Europeia (UE).

Marzano afirmou que a delegação em Genebra "não se ocupa de temas ambientais" e nem do tratado entre os países sul-americanos e a UE. "Não é atribuição da minha secretaria atual", esclareceu o diplomata.

Kátia Abreu reagiu dizendo que lamentou a recusa de Marzano de abordar o tema. Para ela, o Itamaraty pode estar se transformando em uma "casa de terrores" porque os "embaixadores não podem dar sua opinião".

Marzano era o nome para substituir a embaixadora Maria Nazareth Farani Azevêdo, que deixará o posto na ONU.

A última rejeição a um diplomata ocorreu em 2015, também para um organismo internacional. A então presidente Dilma Rousseff (PT) foi derrotada na indicação de Guilherme Patriota para a representar o País na Organização dos Estados Americanos (OEA), em Washington.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários