dois homens de terno e gravata
Reprodução/Facebook/Mauro Ribeiro
Ministro da Educação Milton Ribeiro ao lado de Jair Bolsonaro

Dois meses a pós assumir o Ministério da Educação, o pastor Milton Ribeiro falou em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo nesta quinta-feira (24) sobre temas envolvendo a pasta. Além de considerar Paulo Freire um “marxista”, Ribeiro afirmou que a homossexualidade é uma “opção” e que a educação sexual é utilizada por alguns professores para “incentivar discussões de gênero”, o que, segundo o religioso, “não é nomal”.

“É importante falar sobre como prevenir uma gravidez, mas não incentivar discussões de gênero. Quando o menino tiver 17, 18 anos, ele vai ter condição de optar. E não é normal. A biologia diz que não é normal a questão de gênero”, disse Ribeiro ao falar que respeita, mas não concorda com o que ele chamou de “opção”.

“Acho que o adolescente que muitas vezes opta por andar no caminho do homossexualismo (sic) tem um contexto familiar muito próximo, basta fazer uma pesquisa. São famílias desajustadas, algumas. Falta atenção do pai, falta atenção da mãe”, continuou o representante da Educação após garantir que a homossexualidade é uma questão de “valores e princípios”.

O ministro falou sobre educação sexual ao citar a educação básica. Ele disse que o Enem serve para balizar alguns dos assuntos requeridos pelo ministério quando os estudantes chegam ao ensino médio. “porque senão começa a falar lá de ideologia, sabe tudo sobre sexo, como colocar uma camisinha, tirar uma camisinha”, comentou, classificando os assuntos como “laterais” e garantindo que “crianças têm que aprender outras coisas”.

Questionado sobre a opinião dele em relação ao educador Paulo Freire, Ribeiro afirmou que leu o livro Pedagogia do Oprimido e que o educador “transplanta valores do marxismo” para dentro do ensino e da pedagogia. O ministro desafiou, ainda, que acadêmicos o expliquem sobre “onde ele quer chegar com as metáforas” na publicação.

Ribeiro garantiu que tem como uma das metas dentro da pasta valorizar a profissão do professor e tirar do protagonismo “somente o aluno, a infraestrutura, a comida, o assistencialismo”.

Ao falar sobre a crise educacional causada pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Brasil, o ministro disse não acreditar que as problemáticas envolvendo falta de internet e equipamentos para os mais pobres assistirem às aulas é da alçada do ministério.

“A sociedade brasileira é desigual e não é agora que a gente, por meio do MEC, vai conseguir deixar todos iguais”, respondeu o ministro, garantindo que a diminuição dessas desigualdades só cabe ao MEC “em termos” e que ela é de responsabilidade dos estados e municípios.

    Veja Também

      Mostrar mais