O procurador da República Deltan Dallagnol negou que sua saída do comando da Operação Lava Jato em Curitiba tenha ligação com pressões externas
Fernando Frazão / Agência Brasil
O procurador da República Deltan Dallagnol negou que sua saída do comando da Operação Lava Jato em Curitiba tenha ligação com pressões externas

O procurador da República Deltan Dallagnol negou que sua saída do comando da Operação Lava Jato em Curitiba tenha ligação com pressões externas. Em entrevista à afiliada da TV Globo no Paraná, ele disse que a decisão foi estritamente familiar.

Dallagnol afirmou que descobriu que a filha, de apenas 1 ano e 10 meses, está apresentando sinais de problemas no desenvolvimento e que, por isso, vai precisar se dedicar exclusivamente para lidar com o problema.

"Temos 14 procuradores da Lava Jato. Agora, pai e mãe da minha filha pequena são só eu e minha esposa. É uma questão da família de dar atenção à saúde dela nesse momento tão importante e precioso pro desenvolvimento dela", afirmou.

Segundo o procurador, a doença da filha ainda não foi diagnosticada com precisão pela equipe médica. Para ele, a saúde da filha "atropelou todas as outras questões".

Sobre as pressões que estava recebendo enquanto procurador da força-tarefa, Dallagnol afirmou que isso sempre existiu e sempre vai existir. "Nossa história mostra que sempre encarou essas pressões com coragem, determinação, trabalho, resiliência e pedindo ajuda da sociedade, que a gente sempre teve", disse.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários