Tainara e seu irmão perderam o pai para a Covid-19 e apenas descobriram 50 dias depois
Reprodução Globo
Tainara e seu irmão perderam o pai para a Covid-19 e apenas descobriram 50 dias depois

Um paciente morreu no Hospital Municipal Salgado Filho no dia 1 de julho, todavia, a família alega ter ficado sabendo apenas na última quarta-feira (19), mais de um mês e meio depois do óbito.

Segundo a filha do paciente, Tainara Oliveira, ele estava internado com suspeita de Covid-19 desde 25 de junho. Ele também não tinha nenhum contato com os familiares, pois neste tipo de quadro não há visitas. 

No entanto, de acordo com a família, durante todo este tempo eles mantiveram contato com a unidade e enviavam mensagens perguntando sobre o estado de saúde do paciente e recebia resposta do hospital de que Paulo César seguia bem.

A esposa de Paulo diz que soube da morte do marido quando foi levar o filho, que estava passando mal, ao hospital. Ao chegar, Tainara disse que resolveu tentar ver o pai.

"Entrei lá, olhei leito por leito e ele não estava lá. Aí, a enfermeira falou: você vai na recepção e pede para puxarem o nome dele para saber onde ele está. Quando fui à recepção, ele não estava mais no sistema. E aí fiquei preocupada", disse a filha de Paulo à reportagem da Globo .

Foi então que ela descobriu que o pai havia morrido no dia 1° de julho. "Eu recebi várias mensagens dizendo que ele estava bem, estava estável. Mas aí, não foi nada disso, que eu cheguei aqui nesse momento e vi. Lá no caderno ta escrito que ele morreu dia 1º do 7 de 2020 e foi enterrado dia 5 do 8 de 2020. Um mês e quatro dias pra ser enterrado. E aí, até agora, eu não entendi quem enterrou, como que enterrou porque os documentos dele todinhos está comigo", seguiu Tainara.

A família não sabe por quem Paulo Cesar foi enterrado. Paulo César foi sepultado no cemitério de Inhaúma, na Zona Norte.

Segundo a direção do hospital, como não conseguiu contato por telefone, enviou um telegrama para a família do paciente no mesmo dia do óbito.
"O telegrama é enviado quando a unidade não consegue fazer contato por telefone.A unidade constatou também que o nome do paciente não consta mais na planilha diária de informação aos familiares desde a data do óbito. O hospital está investigando a informação de que a família teria recebido boletins diários. A direção garante que tudo será investigado, inclusive se houve algum reconhecimento do corpo", diz a nota. Esta matéria tem informações do "Bom Dia Brasil".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários