Covid-19
João Alvarez/Fotoarena/Agência O Globo
Relaxamento da quarentena causa algumas aglomerações

O relaxamento do isolamento social em uma cidade tão afetada pela Covid-19 quanto São Paulo deveria fazer a doença disparar. Mas a ocupação de leitos hospitalares continuou apresentando queda entre o fim de junho e a primeira quinzena de julho, causando dúvidas sobre o real andamento da doença. Alguns especialistas falam sobre imunidade coletiva, mas o grupo interdisciplinar Ação Covd-19 identificou outro motivo: bolhas de proteção.

Segundo a Ação Covid-19 , as bolhas de proteção se formam quando partes da população estão expostas ao vírus, mas não convivem intensamente com grupos que não sofreram a exposição. Essa comunicação baixa mantém os infectados em contato com pessoas que já estão imunes, ou que também estão infectadas. Dessa forma, a velocidade de alastramento da doença é reduzida.

Para a pesquisadora Patrícia Magalhães, da Universidade de Bristol, na Inglaterra, as bolhas de proteção apresentam um equilíbrio instável. “A porcentagem de pessoas suscetíveis ainda é muito alta”, alerta a especialista, uma vez que estudos sorológicos apontam que apenas 14% da população da capital paulista se infectou com o novo coronavírus (Sars-CoV-2).

De acordo com a Ação Covid-19, se muitos indivíduos contaminados pelo novo coronavírus fossem reintroduzidos na cidade de São Paulo com um relaxamento ainda maior, o número de casos voltaria a subir. “É difícil prever, e com isso, evitar novas ondas de infecção em Sâo Paulo se não houver uma política massiva de testes”, diz José Paulo Guedes Pinto, da Universidade Federal do ABC.

    Veja Também

      Mostrar mais