Girão e Marielle
Reprodução/TV Globo | Reprodução/Anistia Internacional
Cristiano Girão Matias, à esquerda, e Marielle, à direita

O ex-vereador carioca Cristiano Girão Matias (ex-PMN e atualmente sem partido) aparece como um dos investigados de mandar assassinar a vereadora Marielle Franco (PSOL/RJ) em um relatório da  Polícia Federal (PF) divulgado na noite desta segunda-feira (17) pelo SBT Brasil.

Marielle e seu motorista, Anderson Gomes, foram mortos a tiros em março de 2018. Ela era vereadora desde 2016, mas em 2008 foi assessora de uma comissão na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), a CPI das Milícias, na qual Girão foi indiciado. 

Girão foi condenado por chefiar uma milícia a 14 anos de prisão e perdeu o mandato de vereador em 2010. Ele cumpriu parte da pena e agora está em liberdade condicional. 

O relatório da PF mostra a possibilidade do assassinato ser uma resposta ao papel de Marielle – e de Marcelo Freixo, que presidia a CPI – em sua prisão. 

No dia do assassinato de Marielle , Girão passou 10h em uma churrascaria no Rio. Nesse mesmo dia o marido de sua ex-esposa também foi assassinado. Ele, no entanto, nega qualquer envolvimento e alega não ter conhecido a vereadora.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários