homem de roupa vermelha
Reprodução/TV Globo
Klaus Berno Fische oferecia comida às crianças

Adolescentes aliciadas pelo alemão Klaus Berno Fischer, de 73 anos, para a produção de filmes pornográficos infantis num estúdio em Santíssimo, na Zona Oeste do Rio,  contaram em depoimento à polícia que as vítimas não eram atraídas apenas com dinheiro e presentes. Segundo elas, Fischer também oferecia comida em troca da participação nos vídeos.

De acordo com as investigações, o alemão oferecia entre R$ 30 e R$ 50 para as crianças e adolescentes participarem das filmagens . Segundo o delegado titular da 35ª DP (Campo Grande), Luís Maurício Armond, a maioria das vítimas identificadas pela polícia até agora têm entre 10 e 14 anos, todas meninas. Apesar da predominância da faixa etária, há relatos de que uma menina de cinco anos também está entre as vítimas, todas oriundas de uma comunidade na Zona Oeste do Rio.

“Ele (alemão) dava dinheiro, mas também comida. Fazia lasanha, dava sorvetes. São crianças e adolescentes de famílias muito humildes. Ele se aproveitava dessa situação”, explica o delegado.

Uma das adolescentes aliciadas pelo alemão deu detalhes à polícia de como ocorriam as gravações de pornografia infantil pelo estrangeiro. A menina relatou que foi obrigada a ter relação sexual com outra menor, enquanto ambas eram filmadas em um estúdio montado dentro de um imóvel em Santíssimo. Fischer foi preso em flagrante na última sexta-feira por policiais da 35ª DP, delegacia responsável pelas investigações.

Os depoimentos dados à polícia também revelam que para algumas filmagens as crianças ficavam suspensas por cordas, enquanto eram chicoteadas pelo alemão. Diversos itens de sadomasoquismo foram encontrados na casa onde funcionava o estúdio de Fischer.

O objetivo da polícia é encontrar o maior número possível de vítimas do alemão. Além de dinheiro, há informações de que Fischer também oferecia comida para as crianças e adolescentes que aliciava. Os investigadores também tentam identificar comparsas do esquema do estrangeiro. Há suspeitas de que ele tivesse intermediários para chegar às vítimas aliciadas.

A polícia apura ainda se o alemão usava uma agência de turismo da qual era sócio para trazer ao Brasil estrangeiros interessados em ter relações sexuais com crianças. Testemunhas relataram aos policiais que Fischer afirmava ser casado, ter três filhos e dois netos na Alemanha. Ele relatava que havia se mudado para o Brasil porque a família não concordava com seu estilo de vida.

Os investigadores também aguardam a perícia dos 30 mil arquivos criptografados com filmagens de pornografia infantil que foram encontrados na casa de Fischer. Apenas após o trabalho dos peritos será possível saber o conteúdo das gravações e ainda as datas na qual foram feitas.

Klaus foi preso e autuado por estupro de vulnerável e pelos artigos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) que tipificam o crime de produção e venda de material pornográfico envolvendo crianças ou adolescentes. O alemão foi detido após ser encontrado amarrado numa árvore no meio da mata em Seropédica.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários