queiroz
Reprodução
Ex-assessor ainda teria tentado atrapalhar as investigações


O subprocurador-geral da República Roberto Luís Oppermann Thomé apontou, em manifestação ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), a existência de indícios de crimes cometidos pelo ex-assessor Fabrício Queiroz no papel de "operador financeiro" do gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), hoje senador.


Em manifestação destinada ao ministro Félix Fischer, relator do habeas corpus de Queiroz, o subprocurador afirmou que o ex-assessor possuía "estranhas movimentações bancárias" e tentou atrapalhar as investigações .

Os argumentos de Thomé foram apresentados na segunda-feira no pedido para que Fischer revertesse a decisão liminar concedida durante o plantão pelo presidente do STJ João Otávio Noronha. Ainda nesta sexta (07), Thomé apresentou novo pedido ao STJ reafirmando seus argumentos e pedindo novamente que a liminar de Noronha seja revertida .

    Veja Também

      Mostrar mais