Prefeitura de São Paulo teria superfaturado compra de máscaras para utilização da Guarda Civil Metropolitana (GCM)
Divulgação
Prefeitura de São Paulo teria superfaturado compra de máscaras para utilização da Guarda Civil Metropolitana (GCM)

A gestão Bruno Covas (PSDB) está sendo investigada pela compra de máscaras do tipo N95 para a Guarda Civil Metropolitana com preços superiores ao do mercado.

Segundo o Tribunal de Contas do Município (TCM) , a Prefeitura de São Paulo pagou R$ 34,00 por cada unidade do equipamento. O valor é maior do que os R$16,00 e R$ 22,90 desembolsados em outras situações pela própria prefeitura em compra para outros setores da administração.

No relatório, a TCM afirmou apurar "eventuais abusos nos preços praticados na contratação, adotando as medidas administrativas e judiciais cabíveis".

A fiscalização estranha o fato da Secretaria Municipal de Segurança Urbana ter escolhido a empresa e consolidado a compra em pouco mais de 12 horas, tendo sido, ainda, o despacho autorizatório assinado às 16h54min do dia 26 de março, portanto, menos de 24 horas após a requisição de compra", diz o documento.

Os fiscais também alegam falta de transparência na demonstração de que o preço pago para a contratação era o mais adequado, mesmo levando em conta o atual contexto de pandemia, no qual os preços dos produtos são instáveis e a capacidade de fornecimento do mercado é reduzida devido à grande demanda.

"Não existem documentos que demonstrem quantos fornecedores foram consultados e quantas respostas negativas foram computadas, bem como não há esclarecimento a respeito de como foi realizada a pesquisa de preços", diz o documento."

Em defesa, a secretaria afirma que a compra foi realizada de forma regular e justificou como atípica a situação do mercado fornecedor e a necessidade imediata de garantir o fornecimento do equipamento de proteção individual (epi) aos servidores da GCM.


    Veja Também

      Mostrar mais