Flávio Bolsonaro Fabrício Queiroz
Reprodução
Fabrício Queiroz, preso nesta quinta, é ex-assessor de Flávio Bolsonaro

O Ministério Público do Rio (MP-RJ) apontou indícios, no pedido de prisão preventiva de Fabrício Queiroz na quinta-feira, de que ele pode ter sido o responsável por até R$ 286,6 mil pagamentos e transferências em espécie para cobrir despesas do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e sua esposa Fernanda Antunes.

Leia também:

"A análise de suas atividades bancárias permitiu ao Gaecc/MPRJ comprovar que Fabrício Queiroz também transferia parte dos recursos ilícitos desviados da Alerj diretamente ao patrimônio familiar do então deputado estadual Flávio Bolsonaro , mediante depósitos bancários e pagamentos de despesas pessoais do parlamentar e de sua família", afirma trecho do mandado de prisão de Queiroz.

A partir do cruzamento de dados bancários com imagens de câmeras de segurança de uma agência na própria Alerj, o MP apontou que Queiroz pagou as mensalidades escolares das duas filhas de Flávio Bolsonaro e Fernanda no dia 1º de outubro de 2018.

Os promotores investigam outros 114 boletos bancários das escolas das filhas e do plano de saúde da família do  filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) cujos valores não foram debitados das contas do então deputado, nem de sua mulher.

"As movimentações bancárias atípicas e o contexto temporal nas quais foram realizadas resultam em evidências contundentes da função exercida por Fabrício Queiroz como operador financeiro na divisão de tarefas da organização criminosa investigada, tanto na arrecadação dos valores desviados da Alerj quanto na transferência de parte do produto dos crimes de peculato ao patrimônio familiar do líder do grupo, o então deputado estadual Flávio Nantes Bolsonaro", afirma outro trecho do pedido de prisão de Queiroz.

Os valores se referem a repasses em 2011 e, principalmente, a pagamentos de mensalidades escolares e do plano de saúde da família de Flávio, entre janeiro de 2013 e dezembro de 2018.

Flávio Bolsonaro  nega irregularidades e disse que seu patrimônio "é totalmente compatível com seus rendimentos e isso ficará inequivocamente comprovado dentro dos autos".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários