Atraso em estatísticas acabam criando cenário que não representa a realidade da doença, aponta levantamento
Brenno Carvalho / Agência O Globo
Atraso em estatísticas acabam criando cenário que não representa a realidade da doença, aponta levantamento

Os óbitos por Covid-19 no Rio de Janeiro podem levar até um mês e meio para aparecerem nas estatísticas oficiais . É o que revela uma comparação dos dados divulgados diariamente pela Secretaria estadual de Saúde (SES), apontando para defasagens num dos principais critérios para justificar a flexibilização do isolamento social: o de mortes por data da sua ocorrência, em curva descendente no estado desde meados de maio.

Leia também
Bolsonaristas são alvo de busca e apreensão da PF por atos antidemocráticos
MPF no Rio vê "fortes indícios" de lavagem de dinheiro por Flávio Bolsonaro
Sara Winter diz que ato com tochas diante do STF foi baseado na Bíblia

Esse mesmo parâmetro é o que o  Ministério da Saúde tenta emplacar como uma das informações mais acessíveis em seu painel sobre a doença , na contramão de outros países, que destacam as notificações das últimas 24 horas.

O caso do Rio , no entanto, mostra como os atrasos podem criar uma cortina de fumaça sobre o atual estágio da emergência sanitária . No estado, a mediana do intervalo entre a ocorrência do óbito e sua confirmação, na semana passada, era de 6,1 dias. Contudo, uma lupa sobre o boletim do último dia 9 de junho, por exemplo, sinaliza que, das 147 mortes divulgadas, somente uma havia acontecido naquele mesmo dia. Todas as demais eram referentes a datas anteriores. Com os novos registros, só os óbitos de 26 de abril passaram de 174 para 199 (aumento de 14%).

As vítimas de 9 de junho, por sua vez, vêm aparecendo de forma diluída nos boletins desta semana. No mais recente, desta segunda-feira, já somavam 27. Há ainda outras 1.253 mortes sob investigação.

Você viu?

"Os dados atrasados dificultam o acompanhamento da pandemia . Só depois, quando eles estiverem de fato consolidados, vamos saber se podíamos até ter reaberto antes. Além de a doença ter tido um pico em maio, sem que ninguém tenha falado que estávamos no auge, com uma mortalidade maior que a da Itália, a gente pode atrasar os passos da retomada por falta de informação em tempo real", afirma o sanitarista Daniel Soranz.

Analisando as curvas entre as mortes divulgadas diariamente e a de óbitos por data ocorrência, o descolamento entre elas é flagrante. Os boletins do fim de abril e início de maio, por exemplo, ficavam bem abaixo do número real de mortes que aconteceram nesse período. Situação que, pelo menos sem levar em conta os atrasos, começa a se reverter em meados do mês passado.

"O que percebemos é quando usamos os dados pela data da notificação ou do início dos sintomas, a curva baixa muito. Isso porque muitos dos óbitos e casos demoram dias para serem confirmados. Amanhã esses números serão revistos, mas vão se misturar na parte anterior da curva. Não é possível ver imediatamente", analisa o epidemiologista e membro do Instituto de Medicina Social da Uerj Guilherme Werneck.

Para os casos e óbitos por data do início dos sintomas, há ainda problemas na origem dos dados. Em centenas de casos, a data do aparecimento dos sintomas coincidia com o da coleta do exame ou da notificação da doença, o que seria impossível de ocorrer.

Apesar disso, a Secretaria estadual de Saúde ressalta que o "número de óbitos vem apresentando queda significativa desde o dia 18 de maio", assim como há tendência de redução no volume de internações nas redes pública e privada do Estado do Rio.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários