Mortes por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) podem indicar subnotificação
Reprodução Twitter
Mortes por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) podem indicar subnotificação





A cada 10 mortes computadas por Covid-19 no Brasil, 8 são registradas como  Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag) sem causa determinada. Até a primeira semana de junho, foram 23 mil casos. A alta pode indicar subnotificação de mortes pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2).

Leia também:

Em "estado de guerra", Pequim limita viagens para conter nova onda de Covid-19

Com novo recorde, mortes por Covid-19 chegam a 11 mil no estado de São Paulo

Covid-19: mortes demoram até um mês e meio para aparecerem em dados oficiais

Os dados fazem parte das fichas de pacientes enviadas pelos hospitais para o Ministério da Saúde e foram publicados pela Piauí.

No Acre, para cada 10 vítimas da Covid-19, há apenas 1 vítima de SRAG indeterminada. Em Minas Gerais, 45, no Paraná, 51 e, No Mato Grosso do Sul, 87.

O alto índice de mortes por SRAG pode estar maquiando os números de óbito por Covid-19.  Mato Grosso do Sul e Minas Gerais são os estados com a menor taxa de mortes por Covid-19 do país. No Mato Grosso do Sul, a Covid-19 matou 8 pessoas por milhão de habitantes, mas, somando óbitos por SRAG indeterminada, a taxa vai para 73. Em MG, taxa sobe de 17 para 92.

A faixa etária das vítimas de Covid-19 e de SRAG indeterminada também é idêntica: 7 de cada 10 têm 60 anos ou mais. Antes da pandemia, porém, os idosos eram a menor parte dos mortos por SRAG em geral e também a menor parte dos mortos por Srag indeterminada. Em 2019, apenas 4,6 de cada 10 vítimas de SRAG indeterminada tinham 60 anos ou mais.

O número de mortes incógnitas por SRAG. Porém, este ano, o número explodiu no Brasil, chegando a 13 vezes a média dos cinco anos anteriores, nesse mesmo período. Em outras palavras, para cada 1 pessoa que normalmente morria de SRAG indeterminada, em 2020 morreram 13.

Outro fator que aponta para a subnotificação é o fato de a SRAG indeterminada crescer ainda mais nas regiões mais afetadas pela pandemia. No Norte, região de maior taxa de Covid-19 por habitante do país, a cada 1 pessoa que normalmente morria de SRAG indeterminada, morreram 23 este ano. No Sul, que tem a menor taxa, foram 6.

A Covid-19 chegou ao Brasil na oitava semana do ano, isto é, final de fevereiro. Sete pacientes que começaram a sentir sintomas naquela semana acabaram morrendo. Também na oitava semana, 78 pessoas desenvolveram sintomas e faleceram por síndrome respiratória aguda com causa indeterminada. Desde então, a curva de crescimento das duas causas de morte é ascendente. Na 18ª semana, foram 4,7 mil mortes por Covid-19 e 2,8 mil por SRAG sem causa específica.

    Veja Também

      Mostrar mais