homem de feições serias
Divulgação / Polícia Civil
Maxwell já era investigado pela polícia

Um bombeiro militar investigado pela polícia do Rio de Janeiro desde o ano de 2019 foi preso na manhã desta quarta-feira (10) por suspeita de ser cúmplice de  Ronnie Lessa, PM acusado de matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes no ano de 2018. Maxwell Simões Corrêa, de 44 anos, teria ajudado Lessa a esconder as armas do crime após ser preso pela polícia.

Leia também

Maxwell foi preso em um condomínio do Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Investigações afirmam que ele teria fornecido um carro para que a quadrilha do policial preso pudesse esconder armas no dia da prisão dele antes delas serem jogadas no mar. Ciente da investigação, o bombeiro ainda teria tentado plantar provas para disfarçar que a propriedade do carro era dele.

Os mandados de busca e apreensão para propriedades do bombeiro são apenas um entre dez da Operação Submersos II, que tem 150 agentes nas ruas do Rio investigando outros suspeitos de contribuir com obstrução das investigações do crime. Um policial militar na ativa é um dos investigados.


    Veja Também

      Mostrar mais