Em setembro de 2019, a então procuradora geral da República, Raquel Dodge, solicitou a federalização do caso
undefined
Em setembro de 2019, a então procuradora geral da República, Raquel Dodge, solicitou a federalização do caso

O Superior Tribunal de Justiça decidiu, nesta quarta-feira (27), pela permanência do caso Marielle Franco na justiça do Rio de Janeiro. A família de Marielle era contra a federalização do caso.

Até hoje não se sabe quem são os mandantes do crime, cometido em 14 de março de 2018. Dois suspeitos de terem matado a vereadora e o motorista Anderson Gomes, os ex-policiais Ronnie Lessa e Élcio Vieira de Queiroz, estão presos atualmente.

Leia mais:  STJ nega pedido de habeas corpus para acusado de ocultar arma que matou Marielle

A investigação é conduzida pelo Ministério Público do estado do Rio e a Polícia Civil fluminense.

Em setembro de 2019, a então procuradora geral da República, Raquel Dodge, solicitou a federalização do caso. Posteriormente, o pedido foi endossado por Augusto Aras, atual procurador geral da República.

Você viu?

O  Instituto Marielle Franco, criado pelos familiares de Marielle para cobrar respostas quanto ao crime, comemorou no Twitter:



A ministra Laurita Vaz, relatora do processo, afirmou que "não há sombra de descaso, desinteresse, desídia ou falta de condições pessoais ou materiais das instituições estaduais encarregadas por investigar, processar e punir os eventuais responsáveis pela grave violação a direitos humanos decorrente dos homicídios de Marielle e Anderson."

Saiba mais:  Filha de Marielle a Bolsonaro: “Lave a boca antes de falar da minha mãe”

A relatora resaltou que não há motivos para a federalização do caso. "Constata-se notório empenho da equipe de policiais civis da Delegacia de Homicídios e do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (...), o que desautoriza o atendimento ao pedido de deslocamento do caso para a esfera federal."

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários