Maioia das interdições aconteceram nos arredores da praça da Sé
Veja SP/ Divulgação
Maioia das interdições aconteceram nos arredores da praça da Sé

A Prefeitura de São Paulo interditou, nos últimos dois meses, 422 estabelecimentos não-essenciais por abrirem as portas durante regras de isolamento social. A maioria deles no centro da cidade, na Sé.

De acordo com a gestão, mais de dois mil agentes têm trabalhado na conscientização de ambulantes e comerciantes para manter os comércios fechados em toda a capital paulista.

Veja também: São Paulo ultrapassa os 70 mil casos de Covid-19 no estado

Além da interdição, o estabelecimento que desrespeita a determinação deve pagar uma multa no valor de R$ 9.231,65 a cada 200 metros quadrados de área construída ocupada pela atividade. O valor arrecadado com as multas não foi informado. Caso haja reincidência, o alvará de funcionamento cassado.

De acordo com a prefeitura,"o objetivo não é multar, mas, sim, evitar aglomerações para reduzir o risco de transmissão do coronavírus para proteger a população, conforme as orientações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde (OMS)".

As lojas podem seguir funcionando de maneira remota, vendendo produtos através do telefone ou das vendas on-line, por sites ou aplicativos

Leia mais: Reunião com Bolsonaro foi exemplo de sabedoria, afirma Doria

Podem funcionar normalmente em São Paulo: Hipermercados e supermercados; Padarias; Farmácias; Postos de combustíveis; Lojas de conveniência; Restaurantes e lanchonetes; Lojas de produtos para animais; Feiras livres.

    Veja Também

      Mostrar mais