Comércio não essencial segue fechado em São Paulo
Veja SP/ Divulgação
Comércio não essencial segue fechado em São Paulo

Com o anúncio da prorrogação das medidas de isolamento social até o dia 31 de maio, o comitê que gerencia a crise da Covid-19 no estado de São Paulo informou quais as metas precisam ser atingidas para que seja possível retomar as atividades não-essenciais. As principais são: redução sustentada de número de casos por 14 dias, taxa de ocupação de UTIs inferior a 60% e índice de isolamento social superior a 55%.

Doria defendeu que a flexibilização, neste momento, prejudicaria tanto o sistema de saúde, quanto a recuperação econômica. De acordo com o último boletim, a ocupação dos leitos no estado é de 70%. Na capital paulista a situação é ainda mais preocupante: 90% dos leitos municipais de UTI estão ocupados.

Veja também: São Paulo lança conselho com 16 prefeitos para coordenar ações contra Covid-19

"Na região metropolitana, um aumento de 760% em apenas 30 dias. Estamos atravessando o pior momento desta pandemia. Só não reconhece , vê, percebe, aqueles que estão cegos pelo ódio ou pela ambição pessoa. Autorizar o relaxamento agora seria colocar em risco milhares de vidas, o sistema de saúde e, por óbvio, a recuperação econômica", afirmou o governador.

Leia mais: Por motivos médicos, David Uip deixa Centro de Contingenciamento para o Covid-19

O governo busca uma taxa de isolamento social entre 50 e 60% para iniciar a flexibilização. O ideal, no entanto, segundo as autoridades de saúde, seria um índice de 70%. O estado nunca chegou ao valor ideal, sendo as maiores taxas, de 59%, registradas em domingos ou feriados.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários