O governo do Maranhão envolveu 30 pessoas e o montante de R$ 6 milhões para adquirir 107 respiradores e 200 mil máscaras da China . Após ser atravessada pela Alemanha, EUA e pelo próprio Brasil, a gestão de  Flávio Dino (PCdoB) montou logística não usual para obter equipamentos chineses.

Flávio Dino (PCdoB), governador do estado do Maranhão
Reprodução
Flávio Dino (PCdoB), governador do estado do Maranhão

Com ajuda de uma importadora maranhense, o governo estadual negociou com uma empresa de Guangzhou, na China, que enviou os respiradores para a Etiópia, com o intuito de escapar do radar da Europa e dos EUA.

Leia mais: União Europeia pede desculpas à Itália por demora em agir contra Covid-19

A carga que saiu da china e aterrissou em São Paulo teve o frete pago pela mineradora Vale, segundo O secretário estadual de Indústria e Comércio, Simplício Araújo. 

Veja também: Sem hospitais de campanha, Rio de Janeiro tem 88% dos leitos de UTI ocupados

Ao chegar a São Paulo, os equipamentos foram colocados em avião fretado da Azul e mandados para o Maranhão, para, só lá, ser desembaraçada na Receita. A liberação na alfândega não foi feita em SP para evitar que o governo federal retivesse os respiradores, como tem acontecido. A operação durou 20 dias e os equipamentos desembarcaram em São Luís na terça -feira (14).


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários