Alvanei Xirixana, adolescente ianomâmi
Reprodução
Alvanei Xrixana foi o primeiro ianomâmi a morrer de Covid-19

Entidade que representa os direitos dos ianomâmi fez neste sábado um alerta para o iminente aumento de casos entre indígenas contaminados com o coronavírus depois da  morte do adolescente Alvanir Xrixana, de 15 anos, em Roraima.

A Hutukara Associação Yanomami aponta negligência nos cuidados com o indígena desde o primeiro momento em que ele apresentou sintomas da Covid-19, ha três semanas, e chama a atenção das autoridades responsáveis pela presença de garimpeiros na comunidade onde a vítima morava.

Leia também: Coronavírus: no Brasil, vítimas fatais fora do grupo de risco dobraram

"Ele ingressou no Hospital Geral de Roraima (HGR) com sintomas respiratórios em 18 de março, mas só foi diagnosticado com Covid-19 dia 07 de abril. Durante todo esse tempo ele estava com a doença e não foi atendido com os cuidados necessários", diz o comunicado que traça uma linha do tempo da crise de saúde do ianomâmi.

Ele deu entrada no Hospital Geral no dia 3 de abril, com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). Seu primeiro teste havia dado negativo, porém teve o resultado confirmado na segunda testagem para Covid-19, na terça-feira.

"Entre 18 de março e 03 de abril ele foi dado de alta três vezes no HGR . Ele morreu por atendimento inadequado e falta de cuidados". A associação afirma que durante todas as idas e vindas do adolescente entre o HGR e a unidade de saúde de sua comunidade, Alvanir teve contato com muitas pessoas.

Leia também: Brasil ultrapassa mil mortes por Covid-19 e tem 19,6 mil infectados

Cinco profissionais de saúde que tiveram contato com o adolescente ianomâmi já estão em isolamento, assim como as pessoas que estiveram com eles. Para a comunidade de Helepe, destino do adolescente após deixar o município de Alto Alegre por conta da suspensão das aulas, foram enviados 20 testes rápidos até o dia 10 de abril.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários