João Doria
Governo de São Paulo / Divulgação
Doria foi testado para o novo coronavírus

Presos das unidades penitenciárias do estado de São Paulo vão passar a fabricar máscaras de proteção que devem ser usadas por profissionais de saúde que atuam no combate ao coronavírus, anunciou o governador de São Paulo, João Doria, nesta terça-feira (24).

Leia também: Covid-19: hospital que atendeu Bolsonaro omitiu nomes em lista de infectados

De acordo com o governador, aqueles que estão no sistema penitenciário começam a trabalhar já nesta quarta-feira (25). Serão produzidas 26 mil peças por dia que custarão R$ 0,80 cada. 

“Uma atitude correta, solidária e possível de ser feita”, afirmou Doria sobre a medida.

Bloqueio total

Esta terça-feira (24) é o primeiro dia de quarentena instituída pelo governo do estado. Perguntado sobre a possibilidade de restringir ainda mais os deslocamentos e instaurar um isolamento completo, Doria rejeitou a possibilidade. "Bloqueio total neste momento não é aplicável, nós temos tido muito cuidado para que não ocorra um colapso", afirmou.

Segundo o governador, "São Paulo concentra quase 40% de toda a economia do país, se nós tivermos aqui um 'lockout' paralisa o país, o que pode provocar vítimas de uma maneira gravíssima". "Não digo que não possamos chegar a este momento, mas até hoje, não houve essa necessidade", completou.

Doria também negou a necessidade de ele mesmo e sua equipe estarem em quarentena. Na noite desta segunda (23) o dr. David Uip, coordenador do centro de contingência do coronavírus, testou positivo para a covid-19. O governador e o prefeito de São Paulo, Bruno Covas , foram então testados para a doença e divulgaram na internet o resultado negativo de seus exames.

Segundo Doria, não haveria necessidade de realização de uma contraprova, mas "por excesso de transparência", ela está sendo realizada e deve ficar pronta ainda hoje. Durante coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, o governador se irritou com a pergunta de um repórter sobre a necessidade de isolamento de todos que tiveram contato com o dr. David Uip. 

"Você não está conversando com um governador que é irresponsável. Peço por favor que ao formular perguntas, compreenda a quem você está fazendo. Aqui em São Paulo nós temos responsabilidade. Eu como governador do estado fiz o que a recomendação médica exige nesses casos e coloquei com transparência o meu exame na internet ", respondeu.

Desde a semana passada as coletivas de imprensa estão sendo transmitidas ao vivo nas redes sociais do Governo do Estado de São Paulo, mas jornalistas continuam participando presencialmente. Nesta terça, Doria e sua equipe ficaram em uma sala separada dos profissionais, assistindo a tudo por meio de um telão.

Reunião com Bolsonaro

Os governadores do sudeste se reunirão na manhã desta quarta-feira com o presidente Jair Bolsonaro. Além do presidente e dos governadores, devem participar o ministro Luiz Henrique Mandetta, da Saúde, e Paulo Guedes, da Economia.

"Este é o melhor caminho para o Brasil, é estarmos unidos, dialogando, e construindo soluções positivas para salvar vidas, proteger pessoas e proteger a nossa economia", pontuou Doria sobre o encontro virtual. Ele também relembrou que há 15 meses os governadores não tem nenhuma reunião com o presidente.

Denúncias on-line

João Doria anunciou ainda que a partir de agora é possível registrar quase todas as ocorrências policiais por meio da internet. Alguns crimes que antes só poderiam ser registrados presencialmente e agora podem ser denunciados on-line são ameaça, estelionato e crimes contra o consumidor, por exemplo. 

A exceção se dá para ocorrências que dependem da coleta imediata de provas, como nos casos de homicídio, latrocínio e estupro, entre outros. O registro deve ser feito no site da Delegacia Eletrônica

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários