Agência Brasil

Transporte público no Rio
Ônibus assaltado no Rio de Janeiro
Transporte público no Rio

O movimento de passageiros nos principais meios de transporte da região metropolitana do Rio de Janeiro caiu nesta terça-feira (17) cerca 50%, após o Poder Público recomendar o isolamento social como forma de prevenção ao coronavírus.

Leia também: Pelo menos 19 idosos morrem com novo coronavírus em casa de repouso na Espanha

Em um balanço parcial, o consórcio Rio Ônibus , que reúne as empresas que atendem ao município do Rio, informou que a redução no movimento de passageiros na manhã desta terça pode ter sido de mais de 50% em relação à demanda normal. Até segunda (16), quando o governo de estado anunciou situação de emergência devido ao coronavírus , a queda estava estimada na faixa de 20% a 30%.

A demanda na CCR Barcas também caiu na manhã desta terça-feira em relação à média para este dia da semana. A queda do uso de transporte público , de cerca de 50%, representa um avanço em relação aos números de segunda-feira, quando a redução havia sido de 35% em relação à movimentação normal. As barcas ligam o centro do Rio de Janeiro a Niterói e a Paquetá e a um ponto da Ilha do Governador, na zona norte da cidade.

Os trens da Supervia, que ligam a estação Central do Brasil às zonas norte e oeste da cidade e à Baixada Fluminense, tiveram 67 mil passageiros a menos até as 9h da manhã de hoje. A queda corresponde a 32% da média para este dia da semana. Na segunda, a concessionária já registado queda de 23%, com 139 mil passageiros a menos ao longo dia.

Leia também: Em vídeo, médico diz que coronavírus não é letal porque "Deus não quis"

Você viu?

O Metrô Rio ainda não fechou os dados da manhã desta  terça, mas informou que houve ontem queda de 35% da demanda de passageiros. No fim de semana, a concessionária já havia verificado uma redução de 27%.

Entre o fim da semana passada e segunda, governo do estado e a prefeitura suspenderam aulas e recomendaram o fechamento de estabelecimentos como academias, pontos turísticos e shopping centers , além da redução do atendimento em restaurantes e bares. Empresas estão sendo aconselhadas a adotar home office (trabalho em casa)sempre que possível, e, aos profissionais que não puderem trabalhar remotamente, a indicação é sair de casa apenas para trabalhar, comprar suprimentos básicos e buscar atendimento médico.

As medidas buscam desacelerar a circulação do coronavírus, para que o número de casos não sobrecarregue o sistema de saúde. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, se as medidas de prevenção forem desrespeitadas, o estado pode ter 24 mil casos de coronavírus em um mês.

Higienização das mãos

Além do isolamento social, a prevenção contra a doença exige cuidados de higiene pessoal. É fundamental lavar as mãos com sabão durante ao menos 20 segundos sempre que tocar superfícies em locais coletivos e objetos compartilhados.

Leia também: Bolsonaro chama pandemia de "histeria" e critica medidas de isolamento

O álcool gel 70% pode ser usado para essa higienização quando não houver sabão e água disponível e, se não for possível limpar as mãos de nenhuma das duas formas, a recomendação é evitar tocar o rosto para evitar a contaminação pelo coronavírus .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários