Força Nacional no Ceará
João Dijorge / Photopress / Agência O Globo
Força Nacional também está no Ceará

Os policiais militares do Ceará não fecharam acordo sobre o fim do motim que já dura 11 dias no estado após a quarta reunião que teve com Ministério Público do Ceará e a comissão formada pelos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário do Estado.

Segundo informações do jornal O Estado de São Paulo , a comissão informou que os PMs amotinados exigiram a presença do ex-deputado federal Cabo Sabino e da líder das mulheres policiais para dar continuidade às negociações.

Leia também: 'Nenhuma chance', diz Maia sobre votar anistia a policiais do Ceará

De acordo com o procurador-geral de Justiça cearense, Manuel Pinheiro, a justificativa é de que o ex-deputado tem um mandado de prisão em aberto por ter liderado os motins. Apesar do pedido, Pinheiro disse que não vai negociar com uma pessoa que exige essa condição.

Outra reivindicação dos policiais é para que os participantes da paralisação sejam anistiados.

Diante da falta de perspectiva de um acordo, o presidente Jair Bolsonaro prorrogou em uma semana o decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), de modo que as Forças Armadas possam ficar no Ceará por mais sete dias.

Leia também: PMs pedem anistia e reajuste salarial para acabar com motim no Ceará

Em uma transmissão no Facebook nesta quinta (27), Bolsonaro chegou a dizer que não faria a renovação e que a GLO é somente para casos de emergência. A resposta veio depois que o governador Camilo Santana (PT) pediu a prorrogação.

    Veja Também

      Mostrar mais