Tamanho do texto

De janeiro a novembro, foram apreendidas 25 toneladas de drogas em 51 ações realizadas; principais destinos seriam portos na Europa e na África

Drogas arrow-options
Reprodução/Facebook
Até novembro, número de apreensões já superava o recorde anterior, de 2018

Maior complexo portuário da América Latina, o Porto de Santos é uma das principais vias de escoamento de produtos do país, tanto de exportação quanto de importação. Por ele passam, todos os dias, os mais diversos carregamentos, inclusive de pessoas, o que lhe garante o posto de principal porto do Brasil.

Leia também: Polícia troca tiros com bandidos após invasão a laboratório de drogas; assista

Tal movimentação, que representa mais de 25% da balança comercial do país, faz do Porto de Santos também alvo importante para outra atividade: o tráfico. Organizações criminosas utilizam o local para tentar enviar a outros continentes os produtos que negociam, como drogas e artigos falsificados, ou para receber mercadorias sem o pagamento dos impostos devidos.

Para evitar que tais grupos tenham sucesso nessa atividade, a Polícia Federal  e a Receita Federal têm aumentado o rigor nas investigações, com a implementação de novas tecnologias , treinamentos e processos, o que garantiu um novo recorde ao porto: 2019 já é o ano com o maior número de apreensões de drogas na história.

De janeiro a novembro, foram realizadas 51 operações e apreendidas mais de 25 toneladas de cocaína que seriam enviadas para cidades na Europa e na África , ultrapassando o recorde anterior, atingido em 2018, quando pouco mais de 23 toneladas foram identificadas em 46 ações dos agentes.

Mais droga, mais apreensões

Segundo Richard Neubart, auditor fiscal da Receita Federal, há uma "combinação de fatores" que levam a este aumento, registrado não apenas em Santos como em outros portos brasileiros, mas a escolha do Brasil como 'rota' é uma das principais explicações.

"O aumento no trânsito é algo que independe da Receita. De nossa parte, podemos dizer estamos mais preparados, com scanners , cães de faro, sistemas mais modernos para ajudar a identificar essa droga e a especialização de servidores, que estão dedicados a este trabalho", explica.

"Os contrabandistas sempre procuram uma passagem mais fácil e trazer o contrabando para dentro do Brasil, seja fronteira ou portos, identificando um local mais frágil. O que podemos dizer, sem citar outros portos, é que o fortalecimento em algum ponto que estava mais fraco faz com que essas tentativas migrem. Vejo isso como o principal fato para ter aumentado aqui em Santos", aponta Richard.

A análise pode ser associada também a um aumento na produção de drogas, principalmente cocaína, em outros países. Segundo reportagem recente do jornal The Economist , a produção da cocaína na Colômbia bateu novo recorde histórico em 2018 e vem crescendo ano após ano, com atingindo anualmente quase 1.500 toneladas, e girando um mercado que movimenta 2,7 bilhões de dólares (cerca de R$ 11,2 bilhões).

Armas para o combate

Como principal novidade, o fiscal revela que o uso dos scanners tem auxiliado muito no combate ao tráfico , seja de drogas ou de outros produtos, e na identificação de possíveis fraudes , que ocorrem quando as cargas são declaradas de forma diferente do conteúdo que os contêineres contém.

"Dá uma precisão maior para localizar algo que esteja declarado incorretamente. A gente consegue ver o que está dentro sem precisar abrir. A abertura é sempre muito custosa: você tem que posicionar, tem que ter equipe com empilhadeira e existe um limite de contêineres que você consegue abrir por dia. Com o scanner, 100% é escaneado", revela.

Por fim, ele cita o desenvolvimento de um algoritmo para a análise das imagens geradas pelo scanner, que identifica automaticamente possíveis alterações que necessitem da verificação humana, o que dá maior "precisão" ao processo e garante que o número de apreensões seja maior.

Leia também: Papai Noel aparece excitado ao tirar foto com criança de 10 anos no colo

"A Receita tem desenvolvido sistemas de análise inteligente dessas imagens. Mesmo não tendo que abrir, apenas analisando as imagens, ainda assim são muitas imagens. Hoje, no Porto de Santos, são geradas cerca de três mil imagens por dia, tanto na importação quanto na exportação. Isso é algo que tem ajudado muito na identificação de ilícitos, de coisas que não estão declaradas ou cargas que estão falsamente declaradas", finaliza Richard.

Restando ainda a análise completa dos números do mês de dezembro, que deve ser divulgada apenas no início do 2020, a expectativa é de que os valores finais de operações e cargas apreendidas ainda cresça, aumentando mais o recorde do ano de 2019 na história do Porto de Santos .