Vanderlei Lima da Silva, de 37 anos, desapareceu no último dia 17 de abril
Reprodução
Vanderlei Lima da Silva, de 37 anos, desapareceu no último dia 17 de abril

Uma investigação da Polícia Civil concluiu que a maior milícia do Rio assassinou e sumiu com o cadáver de um homem que passava informações sobre a cúpula do grupo paramilitar a policiais. O motorista de aplicativo Vanderlei Lima da Silva, de 37 anos, nunca mais foi visto depois que saiu de casa na noite do último dia 17 de abril. De acordo com o inquérito da Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA), antes de desaparecer, o informante passou, por mensagem de texto a um policial civil, a localização exata de Wellington da Silva Braga, o Ecko, chefe da milícia que domina a Zona Oeste do Rio.

Leia também: Rio de Janeiro tem áreas em que polícia responde por mais da metade das mortes

“Estou aqui agora. Não posso mais falar. É aqui que o Ecko está”, escreveu Vanderlei ao policial, por volta das 19h45. Em seguida, enviou a sua localização por GPS. O motorista estava dentro da Favela Três Pontes, principal reduto de Ecko. O informante avisou a policiais que, na ocasião, a cúpula da milícia faria uma reunião para discutir sobre a propriedade de um terreno na região.

Vanderlei , segundo depoimentos prestados por testemunhas à DDPA, tinha informações privilegiadas da milícia porque era amigo de infância de Jefferson Junio Terra Tavares, o Soldado, braço-direito de Ecko e um dos matadores da quadrilha. No final de 2017, o motorista procurou policiais civis para passar informações sobre a milícia. Na época, ele alegou aos agentes que tinha o sonho de ser policial e que não suportava mais “as covardias praticadas por Ecko e Soldado”.

Você viu?

O carro de Vanderlei foi encontrado carbonizado às margens do Rio Guandu seis dias após o crime. De acordo com o relatório final da investigação, assinado pela delegada Elen Souto, a conversa do informante com o policial foi flagrada pelos milicianos, que o torturaram e executaram em seguida. “Em que pese a nobre conduta da vítima em ajudar os policiais , o risco da morte era iminente”, escreveu a delegada ao finalizar a investigação. Ao final do inquérito , a Justiça decretou as prisões preventivas de Ecko e Soldado.

Apreensão é indício de venda de drogas

Jefferson Junio Terra Tavares, o Soldado, amigo de infância e um dos acusados do homicídio de Vanderlei, foi preso em abril deste ano por agentes da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF). Com ele foram apreendidos um fuzil calibre 762, uma pistola calibre .40, um veículo roubado e diversos pinos com cocaína, preparados para a venda. A apreensão da droga é mais um indício colhido pela polícia de que paramilitares passaram a controlar a venda de entorpecentes em comunidades que antes eram dominadas pelo tráfico e foram invadidas.

Desde 2017, a milícia chefiada por Ecko já invadiu as favelas de Antares e Rola, ambas em Santa Cruz. A Polícia Civil já tem provas de que a venda de drogas não foi interrompida nas duas comunidades após a invasão. No mesmo bairro, a milícia e uma facção do tráfico firmaram uma espécie de convênio na Favela do Aço: os traficantes podem explorar a venda de drogas, contanto que paguem espécie de “pedágio” aos milicianos.

Leia também: Terremoto derruba prédios, deixa mortos e destruição na Albânia; veja fotos

Wellington da Silva Braga, o Ecko, está foragido. Ele assumiu a chefia da milícia após seu irmão, Carlos Alexandre Braga, o Carlinhos Três Pontes, ter sido morto durante uma operação da Polícia Civil em abril de 2017. O Disque-Denúncia (2253-1177) oferece R$ 10 mil por informações que levem a sua captura.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários