PM
Gabriel de Paiva / Agência O Globo
No total, a polícia já responde por 31% das mortes violentas ocorridas no estado em 2019

As mortes em confronto com a polícia no Estado do Rio de Janeiro atingiram, entre janeiro e outubro deste ano, o topo da série histórica para o índice, iniciada em 1998. Foram 1.546 ocorrências, média de cinco por dia.

Leia também: "Tudo pode acontecer", diz Bolsonaro sobre futuro do Mercosul

No total, a polícia já responde por 31% das mortes violentas (homicíidios dolosos, latrocínios, lesões corporais seguidas de morte e mortes em confronto) ocorridas no estado do Rio  em 2019. As áreas de algumas delegacias, porém, apresentam números mais altos.

Quarenta e três das 137 áreas do estado têm números acima dessa média. E em nove Cisps — as Circunscrições Integradas de Segurança Pública — mais da metade das mortes violentas ocorreram pelas mãos de policiais.

Três dessas nove áreas ficam em Niterói: a da 77ª DP (Icaraí), onde 19 das 22 mortes violentas entre janeiro e outubro (ou 86%) foram em confronto com a polícia; a da 78ª DP (Fonseca), com 52 das 95 mortes violentas (o equivalente a 55%) por ação de agentes do Estado; e a da 79ª DP (Jurujuba), onde 15 das 29 mortes violentas nos dez primeiros meses deste ano (ou 52%) foram em ações policiais.

Duas outras áreas de delegacias com alta proporção de mortes em confronto ficam na Baixada. Na 63ª DP (Japeri), 41 das 64 mortes violentas (64% do total) foram homicídios decorrentes de intervenção policial). Na área da 50ª DP (Itaguaí), 55% das mortes violentas (45 de 81 ocorrências) foram em ações da polícia.

Ficam na capital as quatro Cisps restantes onde a polícia responde por mais da metade das mortes. Em Santa Teresa (área da 7ª DP), 19 das 28 mortes violentas entre janeiro e outubro (o equivalente a 68%) foram em confrontos. Na área da 19ª DP (Tijuca), 67% das mortes violentas (20 em 30 casos) ocorreram em ações policiais. A Cisp 15 (Gávea) teve oito das 15 mortes violentas (55%) nos primeiros dez meses do ano em confrontos policiais. Por fim, na área da 38ª DP (Irajá) 26 das 51 mortes violentas (51%) foram por ação das forças de segurança.

Leia também: Maia diz que Câmara já tomou sua decisão sobre segunda instância

Em duas outras Cisps — 9 (Catete) e 25 (Engenho Novo) — a polícia respondeu por metade das mortes violentas ocorridas entre janeiro e outubro deste ano. Nas áreas de 47 delegacias, a maioria delas no interior do estado do Rio , não foi registrada qualquer morte em ação policial nos dez primeiros meses de 2019.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários