Tamanho do texto

Ministro da Justiça começou a defender a federalização do caso após a menção de uma suposta participação no crime; família de Marielle discorda

Marielle Franco arrow-options
Reprodução/Anistia Internacional
Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes foram assassinados no dia 14 de março de 2018

A família de Marielle Franco divulgou neste sábado (2) uma nota na qual pede que o ministro da Justiça, Sergio Moro, não se envolva com as investigações do assassinato da vereadora. Os familiares de Marielle pediram, mais uma vez, que as investigações permaneçam no Rio de Janeiro.

Leia também: "Jamais atuei sob influência política", diz promotora afastada do caso Marielle

Moro  passou a defender a federalização das investigações do assassinato de Marielle e do motorista Anderson Gomes depois que uma reportagem da TV Globo apontou um  possível envolvimento do presidente Jair Bolsonaro no caso. A família afirmou que discorda da postura do ministro.

“O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro obteve avanços importantes e por isso somos favoráveis a que a instituição permaneça responsável pela elucidação caso”, diz a nota. “Acreditamos que Sergio Moro contribuirá muito mais se ele permanecer afastado das apurações”, completam os parentes.