dois frames de mulher cobrindo rosto e carro amassado
Reprodução/Facebook
Para fugir da blitz da Lei Seca uma mulher atropelou um jovem que não resistiu e morreu

Karla Vasconcelos, acusada de atropelar e ocasionar a morte de Jonatan Lima da Silva, 24 anos, ao tentar fugir com seu veículo, na contramão, de uma blitz da Lei Seca, é casada com um sargento da Polícia Militar.

A Polícia Civil investiga se o PM é quem testemunhas apontam que estava com ela no carro no momento do atropelamento do jovem . Há a suspeita de que não fosse ela quem conduzia o veículo. O caso aconteceu no final da noite de quinta-feira em Sulacap, na Zona Oeste.

"Vamos checar se era ele quem estava no carro e se chegou a trocar de lugar com ela no volante. Ele ainda será chamado para depor", afirmou o delegado Reginaldo Guilherme, titular da 33ª DP (Realengo).

Leia também: Jovem morre atropelado por mulher que fugia de blitz da Lei Seca no Rio

Karla, que se declarou autônoma, teve a prisão decretada na tarde deste domingo pela juíza Maria Izabel Pena Pieranti, do plantão judiciário . Inicialmente, o caso foi registrado na 35ª DP (Campo Grande), que atua como central de flagrante na madrugada. Na ocasião, Karla foi indiciada por homicídio culposo, ou seja, sem intenção de matar, e liberada com o pagamento de uma fiança de R$ 1 mil — mesmo com os depoimentos de agentes da Lei Seca afirmando que ela somente não fugiu do local porque foi contida por populares.

"O código de trânsito não permite a prisão em flagrante de quem não foge do local, é um benefício que a lei dá ao autor do delito. Mas foi presa pela embriaguez e pagou fiança. O delegado que fez o flagrante interpretou que ela não teve intenção de matar, também compreendi dessa forma", disse o delegado Adriano Leal, titular 35ªDP.

Anteontem, no entanto, o caso foi repassado para a 33ª DP (Realengo) e recebeu nova interpretação. "Na contramão, em alta velocidade, bêbada: assumiu a possibilidade de matar alguém. Indiciei por homicídio doloso qualificado e solicitei a prisão", disse o delegado Reginaldo Guilherme, no sábado.

Leia também: Casal é detido no Paraná após avisar sobre blitz policial em grupo de WhatsApp

Após conseguir o mandado de prisão, neste domingo, o delegado colocou equipes nas ruas à procura de Karla. Eles estiveram na residência dos pais e de um condomínio fechado onde ela mora com o marido, em Vila Valqueire, mas não a encontraram. As buscas duraram toda a tarde e foram encerradas às 18h. Por conta disso, ela é considerada foragida.

A reportagem do O DIA esteve nos locais de busca da polícia. No condomínio onde o casal reside, os vizinhos afirmaram que não encontram o casal há dois dias. A residência dos pais de Karla estava vazia.

Segundo uma prima de Jonathan, identificada como Jéssica da Silva, as testemunhas do crime confirmam a informação de que Karla estava acompanhada no momento do atropelamento. "Assim que o carro parou, uma pessoa que estava com ela fugiu . Os populares conseguiram segurar ela, mas ele não. No momento que o carro parou, ele saiu correndo. Ela estava acompanhada. Mas, a gente não sabe ainda quem é essa pessoa", disse.

Leia também: Polícia pede prisão de mulher que matou jovem ao tentar fugir de Lei Seca no Rio

O delegado Reginaldo Guilherme recebeu a informação de que Karla estava saindo de um motel, localizado na Estrada do Catonho, com um acompanhante. O veículo está registrado no nome de sua mãe. Logo após o crime, ao ser presa por embriaguez ao volante, na noite de quinta-feira, ela se recusou a realizar o teste do bafômetro. Mas, laudo do Instituto Médico Legal, baseado na coordenação motora, indicou o consumo de álcool .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários