Prefeito Bruno Covas em vistoria no viaduto que cedeu na Marginal Pinheiros.
Heloisa Ballarini/ Secom
Prefeito Bruno Covas em vistoria no viaduto que cedeu na Marginal Pinheiros.

No dia seguinte ao desabamento de um prédio em Fortaleza (CE) por provável reforma irregular, o prefeito de São Paulo Bruno Covas aprovou, nesta quarta (16), a "Lei de Regularização de Edificações" em que cerca de 750 mil imóveis poderão receber anistia por obras sem alvará do município.

Leia também: Doria discute com manifestantes após ser vaiado: "Vai pra casa, vagabundo"

A lei ficou popularmente conhecida como " Lei da Anistia" . Ela permite que imóveis com obras irregulares realizadas até julho de 2014 possam ser normalizados.

O projeto entra em vigor a partir de primeiro de janeiro de 2020 e a prefeitura estima que 600 mil imóveis sejam regularizados de modo automático e outros 150 mil por meio de solicitação e envio de documentos por parte do cidadão.

Em nota, a Prefeitura de São Paulo afirmou que "não está perdoando as irregularidades das edificações construídas até julho de 2014, como o termo ‘anistia’ sugere, mas apresentando uma alternativa de ajuste àqueles que estiverem em desacordo com a legislação municipal de ordenamento do território".

Segundo o órgão público, a lei é para desburacratizar a vida do cidadão e de quem empreende em São Paulo .

"A gente precisa parar de ter a visão de que o poder público precisa tutelar a vida das pessoas", afirma o prefeito de São Paulo, Bruno Covas , em entrevista nesta quarta (16).

Você viu?

Leia também: Doria processa Kajuru por ser chamado de "picareta" e "mentiroso”

Para o prefeito, "as pessoas já estão morando nesses locais e provavelmente tem tranquilidade de que podem morar nesses locais, se não elas não estavam habitando esses espaços".

Segundo o doutor em arquitetura e urbanismo Francisco Barros , a fala do prefeito é como se a prefeitura abrisse mão de outros tipos de fiscalização , como a fiscalização de alimentos em restaurantes.

 "A casa do prefeito não vai cair e essa não é a realidade das pessoas que moram na periferia da cidade. Essas pessoas não tiveram dinheiro ou apoio de profissionais de edificações", explica o arquiteto.

Regularização automática

A regularização automática , que deve normalizar 600 mil imóveis, é voltada para casas com valor de venda máxima de R$ 160 mil e que possuíam isenção do IPTU de 2014 – o que valia para aposentados e pensionistas com renda mensal com três salários mínimos e sem outros imóveis.

O prefeito afirma que "não adianta querer achar que somente com autorização prévia do poder executivo que as coisas funcionam".

Leia também: MEC resiste em incluir São Paulo em programa de escolas militares

O arquiteto explica, porém, que a forma correta de melhorar o cenário habitacional de São Paulo seria investir em um programa de assessoria técnica gratuita para todas as famílias que possuem renda abaixo de três salários mínimos, como garante a Lei 11.888 , de 2008.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários