Faca com lâmina de 30cm usada por Adélio Bispo de Oliveira na tentativa de assassinato de Jair Bolsonaro
POLICIA MILITAR DIVULGACAO
Faca com lâmina de 30cm usada por Adélio Bispo de Oliveira na tentativa de assassinato de Jair Bolsonaro


A faca utilizada por Adélio Bispo de Oliveira no atentado ao presidente Jair Bolsonaro , durante ato em campanha em Juiz de Fora (MG), em setembro de 2018, deverá virar uma peça de museu. O pedido para que o item componha o acervo de alguma instituição foi feito pelo Ministério Público Federal (MPF), em Juiz de Fora, sob justificativa do valor histórico do material. A Justiça Federal deverá analisar a questão na próxima semana.

Leia também: Adélio pesquisou sobre João Amoêdo e ainda mantém obsessão em matar Bolsonaro

A possibilidade da peça usada por Adélio ser destinada a um museu está prevista no Código Penal. Segundo a legislação, os instrumentos do crime, quando possuem valor histórico, podem ser recolhidos a um museu criminal, se houver interesse na sua conservação. É com base nesse entendimento que a faca poderá se tornar uma peça de museu.

Você viu?

— A ideia é que a União se manifeste sobre isso, pela natureza de seu acervo e acesso ao público, pesquisadores, historiadores. É um elemento material histórico  importante e relevante — explica o procurador da República, Marcelo Medina, responsável pelo pedido.

Leia também: Em carta à família, Adélio diz ser vítima de satanismo e maçonaria 

Desde o atentado, a faca está guardada na 3ª vara da Justiça Federal em Juiz de Fora, onde correm as ações relacionadas ao caso. O material foi acondicionado no fórum logo após ser periciado pela Polícia Federal , uma vez que foi utilizado com uma das provas do crime. À época, a faca foi apreendida pela polícia logo após Adélio dar o golpe no então candidato à presidência.

Ainda não se sabe qual será o museu que receberá o material, caso o pedido seja aceito pelo juiz Bruno Savino, da 3ª vara da Justiça Federal. A decisão para o local de destinação, no entanto, poderá ter influência de Jair Bolsonaro , uma vez que ficará a cargo da União.

Caso o pedido seja julgado improcedente, o material deverá ser destruído, como é feito com as demais provas utilizadas nos processos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários