Marinésio dos Santos Olinto confessou ter matado duas mulheres.
PCDF/Divulgação
Marinésio dos Santos Olinto confessou ter matado duas mulheres.


A forma com que convenceu mulheres a entrar em seu carro com a intenção de estuprar e matar, coloca o cozinheiro desempregado  Marinésio dos Santos Olinto , 41, sob suspeita de 12 casos no Distrito Federal (DF). 

Ele confessou ter matado a advogada Letícia Sousa Curado , de 26, funcionária do Ministério da Educação ( MEC ) e Genir Pereira de Sousa , 47. Menos de 24 horas depois de matar Letícia na sexta-feira (23), o homem tentou fazer duas vítimas. As irmãs, que procuraram a Polícia Civil, contaram que aceitaram carona do cozinheiro. Quando perceberam que ele tentava abusar de uma delas, usaram uma panela para se defenderem e fugiram. 

Considerado pela Polícia Civil como serial killer - assassino em série - e maníaco - crimininoso obcecado -, o homem foi preso na madrugada do último domingo (25).   

Leia também: Serial Killer? Homem que enforcou servidora confessa outro crime

Não foi o que teria acontecido com outras duas mulheres que desapareceram enquanto estavam em paradas de ônibus no DF desde 2015 Ao contrário de Letícia e Genir, elas nunca foram encontradas.

Antonia Rosa Rodrigues Amaro tinha 49 anos quando desapareceu no dia 16 de março de 2015. Ela foi vista pela última vez entrando em uma lotação - ou seja, um carro clandestino - em um dia chuvoso.  

Os delegados e policiais civis buscam pistas de Gisvânia Pereira dos Santos Silva , 34. A última vez em que foi vista foi registrada por câmeras de segurança num posto de gasolina no dia 6 de outubro de 2018, por volta das 4h40. Ela havia sido deixada por um homem em um carro perto de um ponto de ônibus. O motorista à época foi desconsiderado como suspeito porque ela saiu sozinha do local.  O caso foi reaberto devido às características de atuação do cozinheiro. 

Marinésio, contudo, disse que não se lembra de outros casos. Policiais tentam encontrar no carro do suspeito vestígios de vítimas. Para isso, além de inquéritos reabertos, os policiais ouvem vítimas que identificam Marinésio em fotografias divulgadas nas redes sociais e em reportagens de emissoras de televisão. 

Leia também: Funcionária do MEC desaparece a caminho da Explanada dos Ministérios

Segundo delegados que trabalham nas investigações, o modus operandi do homem era esse: abordar mulheres sozinhas e oferecer carona. Ele assume que deu caronas, mas negou que fizesse transporte pirata. 

Para encontrar provas que levem o suspeito aos casos de desaparecimentos, policiais buscam pistas nas regiões em que os corpos de Letícia e Genir foram encontrados. Querem saber se outros corpos foram desovados por lá. 

Leia também: Corpo de advogada servidora do MEC é encontrado; Homem confessa que a enforcou

 Em um vídeo divulgado pela Polícia Civil, o cozinheiro confessa o crime. 



    Veja Também

      Mostrar mais